UE pondera sanções à Rússia e Myanmar

UE pondera sanções à Rússia e Myanmar
Direitos de autor Yves Herman/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Rússia e o caso Navalny, Bielorrússia e Myanmar são os grandes temas na agenda dos chefes da diplomacia dos Vinte e Sete,

PUBLICIDADE

As sanções à Rússia na sequência do caso Navalny e a situação em Myanmar são os temas principais na agenda deste encontro dos ministros dos negócios estrangeiros da União Europeia. O bloco pode vir a impor novas sanções coletivas. 

Essa é a vontade, por exemplo, do chefe da diplomacia alemã Heiko Maas: "Vamos discutir se damos, ou não, um mandato aqui em Bruxelas para impor novas sanções à Rússia, sobretudo devido à condenação de Alexei Navalny e ao facto de ele ter de passar a reclusão numa colónia penal. É isso que nos vai ocupar hoje. Sou a favor de dar um mandato para preparar essas sanções e listas de indivíduos", disse Maas.

Também a Bielorrússia está na agenda dos ministros, com a repressão continuada do regime de Alexander Lukashenko sobre os ativistas pró-democracia. 

Josep Borrell, alto representante para a política externa comunitária, defende uma ação mais severa: "Na Bielorrússia, a repressão está a escalar. Aumenta a intimidação da sociedade civil. Também aí temos de considerar uma resposta rápida", disse.

Os chefes da diplomacia da UE mostram-se prontos a aplicar sanções aos responsáveis pelo golpe militar em Myanmar. Pedem uma desescalada da crise política, o regresso a um governo civil e a libertação dos presos, nomeadamente a da até agora líder de facto do país, Aung San Suu Kyi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Banho de sangue no Myanmar

Agricultores incendeiam pneus e desafiam a polícia em Bruxelas

Agricultores entram em confronto com a polícia em Bruxelas