EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ensino à distância aumenta desigualdades educacionais

Escola do 1º ciclo em Atenas, Grécia
Escola do 1º ciclo em Atenas, Grécia Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Estudo da OCDE conclui que a crise criada pela COVID-19 e as diferentes políticas adotadas em relação ao ensino, aumentaram desigualdades educativas.

PUBLICIDADE

O regresso às aulas presenciais é positivo para crianças e jovens mas os efeitos do afastamento prolongado, em relação à escola e à interação que ela permite entre os alunos, é ainda desconhecido mas eles permanecerão durante muito tempo, diz a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. 

Um estudo feito pela OCDE conclui que a crise criada pela COVID-19, e as diferentes políticas adotadas em relação ao encerramento das escolas, não só aumentou as desigualdades educacionais dentro dos países que fazem parte deste organismo, como também a diferença de desempenho entre Estados.

O responsável da OCDE para a Educação explica que "as crianças são as menos vulneráveis ao coronavírus", que são poucas as que são infetadas mas que "são o grupo que tem sido mais afetado pelas políticas públicas para conter a doença". Andreas Schleicher adianta que o ensino não serve apenas para que os estudantes aprendam "conteúdos educativos", tem "também uma vertente social muito importante. (...) a aprendizagem é uma experiência social", acrescenta. Quanto mais tempos os alunos ficam fora da escola, longe dos professores dos colegas mais o seu "bem-estar fica comprometido". As perdas em termos de aprendizagem recuperam-se mais rapidamente, conclui.

A interação social foi também minada pela aprendizagem à distância. A utilização constante de dispositivos eletrónicos, entre os mais novos, também não é positiva e leva à criação de uma dependência, como explica uma terapeuta da fala. Os pais e as escolas "tentaram limitar" esta ação "com telemóveis e tablets. Mas já não há limite, é incontrolável", explica Maria Roussohatzakis. Hoje, "as crianças estão agarradas aos "seus telemóveis, redes sociais, com a desculpa de que é para a escola ou que se trata de atividades extracurriculares. As crianças estão ligadas o tempo todo só não se sabe a quê", acrescenta esta profissional.

Um correspondente da euronews em Atenas diz ainda que para lá das "consequências educacionais, sociais e psicológicas, há estudos que começam agora a relacionar o uso sistemático de ecrãs com problemas de visão nas crianças. Especialistas esperam que as campanhas de vacinação em massa tornem o ensino à distância menos utilizado no próximo ano letivo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os prós e contras do ensino on-line

As mazelas do ensino à distância

Estudantes italianos protestam contra ensino remoto