EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Francês vence Booker Prize Internacional pela primeira vez

Francês vence Booker Prize Internacional pela primeira vez
Direitos de autor cleared
Direitos de autor cleared
De  Teresa Bizarro com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"At Night All Blood is Black," de David Diop, pode ser visto como uma homenagem aos combatentes africanos nas fileiras dos aliados durante a I Grande Guerra

PUBLICIDADE

"At Night All Blood is Black" - à noite todo o sangue é negro, em português - venceu o Booker Prize Internacional 2021. É versão inglesa do livro "Frère d'âme" do francês David Diop que já tinha ganho o prémio Gongcourt, em 2018.

O prémio no valor de 50 mil libras (cerca de 58 mil euros) é uma das distinções mais prestigiadas para obras traduzidas para inglês e publicadas no Reino Unido ou na Irlanda. David Diop, de 55 anos, é o primeiro autor francês a ganhar o Booker Internacional, que é atribuído a livros estrangeiros traduzidos e publicados no Reino Unido ou na Irlanda.

"A primeira ideia para a narrativa deste romance foi a de escrever uma carta fictícia, mas depois alterei a premissa porque queria que a minha personagem principal fosse um jovem camponês e ele não falava francês," conta David Siop acrescentando que quis "criar uma intimidade tanto com a guerra como com o leitor, uma psico-narrativa, ou seja, a história do fluxo de pensamentos das personagens, que é entregue ao leitor, directamente sem um filtro".

O autor sublinha o trabalho da tradutora Anna Moschovakis, também escritora e que partilha o prémio. "Senti que o ritmo que quis dar ao livro em francês - que na realidade é apenas a tradução dos pensamentos de uma personagem que pensa em Wolof, uma língua falada no Senegal -, senti que ela conseguiu encontrar em iglês este ritmo que eu quis impor ao francês," afirma.

Este segundo romance de David Diop, que foi criado no Senegal e cujo bisavô lutou na I Grande Guerra, pode ser lido como uma homenagem aos combatentes desse conflito e em particular aos 200.000 africanos que lutaram nas fileiras do exército francês.

O narrador, Alfa Ndiaye, é um atirador senegalês. Durante uma agressão, o seu camarada de armas e amigo de infância é gravemente ferido e implora-lhe que o mate. O livro conta a história da tentativa de Alfa Ndiaye de redimir da morte do seu companheiro, com dores terríveis.

O romance vai ser publicado no final de junho mês em Portugal pela Relógio d’Água.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sasha Filipenko: "É difícil para os bielorrussos lutarem contra a sua própria ditadura e contra uma ditadura estrangeira que a apoia"

Oposição já festeja vitória nas presidenciais do Senegal

O "Íris Branco", 40° álbum da saga Astérix já está a venda