Última hora
This content is not available in your region

Talibãs prometem regime 'suave'

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
euronews_icons_loading
Talibãs prometem regime 'suave'
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

De regresso ao poder no Afeganistão, os talibãs estão apostados em mostrar ao mundo que este novo regime vai ser menos severo que o que vigorou até 2001. Prometem que os opositores, incluindo os que trabalhavam com as tropas estrangeiras, vão ser amnistiados e que os direitos das mulheres vão ser respeitados, que vão poder continuar a trabalhar e a estudar.

As promessas foram deixadas por um membro da Comissão Cultural dos Talibãs, numa intervenção na TV afegã.

"Há uma convergência para uma amnistia geral em todo o Afeganistão para todos, incluindo para os opositores que, sobretudo nos últimos tempos, estiveram nas fileiras dos ocupantes. Todos vão beneficiar desta amnistia, a partir do momento em que aceitem o regime islâmico como um ideal e se submetam ao regime islâmico", disse Enamullah Samangani.

A questão das mulheres, que no anterior regime talibã estavam impedidas de estudar e trabalhar, é uma das que mais têm preocupado a comunidade internacional: "O Emirado Islâmico do Afeganistão não quer que as mulheres continuem a ser vítimas. No quadro da lei islâmica e no respeito pelos valores nacionais e afegãos, estamos prontos a preparar as condições para o regresso das mulheres aos estudos, ao trabalho e a todas as atividades humanas", insiste o representante talibã.

No quadro da lei islâmica e no respeito pelos valores nacionais e afegãos, estamos prontos a preparar as condições para o regresso das mulheres aos estudos, ao trabalho e a todas as atividades humanas.
Enamullah Samangani
Membro da Comissão Cultural dos Talibãs

Apesar desta aparente operação de charme, a comunidade internacional teme pela sorte do povo afegão, agora que os radicais voltaram ao poder. No regime que vigorou antes da invasão americana, os talibãs cometeram todo o tipo de atrocidades e atentados contra a cultura, como a destruição dos budas de Bamiyan em 2001, deram abrigo à Al-Qaida, impuseram a burca e negaram às mulheres todo e qualquer direito fundamental.