Talibãs festejam fim da missão militar dos EUA

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Talibãs festejam fim da missão militar dos EUA
Direitos de autor  Euronews

Na noite de Cabul, ouviram-se tiros: Desta vez, não de combates, mas tiros de celebração pelo fim do processo de retirada das tropas norte-americanas, pondo fim a vinte anos de intervenção no Afeganistão. Foi a guerra mais longa dos Estados Unidos, que começou com os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Embora Joe Biden diga que o objetivo de desalojar a Al-Qaida está cumprido, a verdade é que os talibãs estão de regresso ao poder e todos temem um regresso ao terror dos anos dos anos 90 do século passado. A retoma do controlo de todo o país por parte dos talibãs deu-se de forma galopante, assim que as potências estrangeiras começaram a retirar as tropas.

O último C17 norte-americano a deixar o Afeganistão levou a bordo o embaixador norte-americano e vários diplomatas. Os aviões conseguiram ainda retirar 123 mil civis. Mas nem todos conseguiram deixar o país.

Anthony Blinken: "Continuamos a honrar todos os homens e mulheres corajosos, dos Estados Unidos e de muitos outros países, que arriscaram ou sacrificaram as suas vidas como parte desta longa missão no Afeganistão, até aos dias de hoje".

A administração Biden está a ser alvo de críticas pela forma como a retirada das tropas precipitou o regresso dos talibãs ao poder: "Esta operação foi um esforço global em todos os sentidos. Muitos países deram contribuições robustas a esta operação, ao trabalharem ao nosso lado no aeroporto. Agradecemos muito este apoio. Os voos militares norte-americanos no Afeganistão terminaram. Abriu-se um novo capítulo no nosso compromisso com o Afeganistão, que vamos liderar através da diplomacia. Terminou a missão militar, começou uma missão diplomática", disse o secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken.

Terminou a missão militar, começou uma missão diplomática.
Anthony Blinken
Secretário de Estado norte-americano

Com este discurso, Blinken reafirma aquela que tem sido a doutrina da administração Biden de limitar ao mínimo a presença militar norte-americana no estrangeiro. Quanto à frente diplomática, os Estados Unidos fecharam a embaixada no Afeganistão. Os assuntos com este país vão, a partir de agora, ser tratados através da embaixada no Catar.