This content is not available in your region

Nobel da Paz entregue em Oslo a Dmitri Muratov e Maria Ressa

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
euronews_icons_loading
Nobel da Paz entregue em Oslo a Dmitri Muratov e Maria Ressa
Direitos de autor  ODD ANDERSEN/AFP or licensors

Pela contribuição em prol da liberdade de imprensa, os jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitri Muratov, da Rússia, receberam presencialmente, em Oslo, os diplomas e as medalhas do Prémio Nobel da Paz que tinha sido anunciado em outubro.

No discurso, Muratov, antigo diretor do jornal "Novaya Gazeta", que o ex-líder da URSS Mikhail Gorbachov ajudou a fundar em 1993 com o dinheiro do seu próprio Nobel da paz, lembrou todos os jornalistas assassinados, na maioria opositores ao governo de Vladimir Putin:

"Os governos tentam melhorar o passado, os jornalistas procuram melhorar o futuro. Este prémio é para o verdadeiro jornalismo. É um prémio para os meus colegas da Novaya Gazeta - Igor Domnikov, Yuri Shchekotschikhin, Anna Politkovskaya, Anastasija Baburova, Stas Markelov e Natasha Estemirova - que perderam as suas vidas. Este prémio é também para aqueles que estão vivos, para a comunidade profissional que desempenha esta missão.

Os governos tentam melhorar o passado, os jornalistas procuram melhorar o futuro.
Dmitri Muratov
Prémio Nobel da Paz 2021

Muratov pediu um minuto de silêncio por todos os camaradas mortos, respeitado pela assistência presente, incluindo os Reis da Noruega.

Foi uma cerimónia com menos pessoas do que o habitual, mas que o Comité Nobel fez questão que acontecesse na capital norueguesa, isto apesar dos números recorde de novos casos de Covid-19. Com taxas de infeção mais baixas, a Suécia, onde são entregues os restantes prémios Nobel, decidiu que as cerimónias de entrega seriam feitas à distância, nos países dos galardoados, pelo segundo ano consecutivo.

Na mesma cerimónia, foi entregue o prémio de 2020, que tinha ficado por entregar devido à pandemia, atribuído ao Programa Alimentar Mundial, pelos esforços para erradicar a fome no mundo, em especial nas zonas em conflito, e evitar que a fome seja usada como arma de guerra. O prémio foi recebido pelo diretor executivo do PAM, David Beasley.