This content is not available in your region

Durão Barroso apoia adesão da Ucrânia à UE

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Durão Barroso vê com bons olhos a adesão da Ucrânia à União Europeia
Durão Barroso vê com bons olhos a adesão da Ucrânia à União Europeia   -   Direitos de autor  Andy Wong/Copyright 2012 The Associated Press. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistributed.

"Tempos especiais pedem medidas de excepção", foi esta a mensagem do presidente ucraniano, quando esta segunda-feira renovou, com caráter de urgência, o pedido para que a Ucrânia seja integrada na União Europeia "sem demora".

Numa mensagem de vídeo, Volodymyr Zelenskyy é visto a assinar o pedido de adesão formal. Pede a "integração imediata da Ucrânia através de um novo procedimento especial". Zelenskyy acredita que é possível e conseguiu espaço para falar sobre o assunto no parlamento Europeu esta terça-feira. 

Bruxelas não fecha a porta a Kiev, mas na reação a este pedido, o presidente do Conselho lembra que há procedimentos a respeitar até porque existem vários estados com a mesma ambição, incluindo os países dos Balcãs. Charles Michel explica que "existem opiniões e sensibilidades diferentes na UE sobre o alargamento" e que a entrada de um novo membro tem de ser aprovada por unanimidade.

Numa espécie de resposta antecipada, vários membros da União Europeia, incluindo a Bulgária, a Polónia, a Estónia e a Letónia, escreveram uma carta aberta onde afirmam que a Ucrânia merece ter uma oportunidade.

Em entrevista à Euronews, Durão Barroso, antigo presidente da Comissão Europeia, sublinha que para já não há forma de o fazer.

Seria justificado se a União Europeia apoiasse plenamente essa aspiração de adesão da Ucrânia quando o país estiver pronto
José Manuel Durão Barroso
Ex-Presidente da Comissão Europeia

De momento, a prioridade de Bruxelas passa por fornecer apoio militar e financeiro à Ucrânia. Vários peritos sugerem que a promessa de adesão à União Europeia poderá ser um trunfo em quaisquer conversações de paz com a Rússia.