Há vida em Kiev para lá da guerra

Marina e Anna abriram uma padaria há uma semana em Kiev
Marina e Anna abriram uma padaria há uma semana em Kiev Direitos de autor NOS via EBU
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pequenos negócios reabrem e são cada vez mais os que regressam à capital ucraniana

PUBLICIDADE

O país está em guerra e as sirenes de alarme fazem parte do quotidiano, mas, entre o medo e a vontade de vencer, os ucranianos reconquistam as ruas de Kiev.

Há cada vez mais gente a regressar à capital ucraniana. O presidente da câmara avisa que a cidade ainda não está segura. Nada que demova os proprietários de pequenos négócios - sobretudo cafés e restaurantes - que voltaram a reabrir portas.

Marina está sentada num restaurante recém aberto em Kiev. Fugiu nos primeiros dias de guerra, mas decidiu regressar. Diz que a vida está a voltar à cidade agora, com mais pessoas, mas lembra que "as malas continuam feitas" porque "nunca se sabe o que vai acontecer".

Partilha a refeição com Anna. São amigas e abriram uma padaria há apenas uma semana.

Anna conta que este é o primeiro negócio que têm e que a ideia surgiu quando viram que outras pessoas também estavam a regressar. A reconquista de um pedaço de normalidade rasga-lhe o sorriso.

As mulheres e crianças que puderam sair do país são agora a maioria entre os que regressam. O momento é também de reencontro, com os homens da família que ficaram para trás.

O fluxo de autocarros vindos da Polónia aumentou nos últimos dias e já há até carreiras noturnas.

Não muito longe do caminho, equipas militares desativam minas e bombas plantadas pelas tropas russas. Um lembrete de que a guerra ainda não terminou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia tenta consolidar posições em torno de Avdiivka

ISW: Ucrânia conseguiu reduzir significativamente as atividades da Rússia no Mar Negro

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia