EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bombardeamentos em Zaporíjia levantam receios nucleares na Ucrânia

Volodymyr Zelensky - Presidente da Ucrânia
Volodymyr Zelensky - Presidente da Ucrânia Direitos de autor Ukrainian Presidential Press Office via AP, File
Direitos de autor Ukrainian Presidential Press Office via AP, File
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Situação agrava-se em torno da maior central nuclear da Europa.

PUBLICIDADE

"A situação em torno da central nuclear de Zaporíjiaagrava-se" disse Volodymyr Zelenskyy, enquanto se apuram responsabilidades quanto aos bombardeamentos de sexta-feira na maior central nuclear da Europa.

Os dois lados acusam-se mutuamente. A Rússia fala da artilharia ucraniana e a Ucrânia menciona dois ataques russos. Nas palavras do Presidente da Ucrânia: "os terroristas russos tornaram-se os primeiros no mundo a utilizar a central nuclear, a maior da Europa, para o terror". Dizendo ainda que vai chamar a atenção do mundo e insistir em novas sanções contra a Rússia pela criação de semelhante ameaça global".

Por seu lado, o diretor da Agência Internacional da Energia Atómica mencionou "informações cada vez mais alarmantes". Rafael Grossi salienta que a região está "em risco real de uma catástrofe nuclear". O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, também reagiu sobre a atual situação na Ucrânia. Nas redes sociais denuncia uma "violação grave e irresponsável das regras de segurança nuclear".

As forças russas também lançaram um assalto a Bakhmut e Avdiivka, duas cidades estratégicas na região de Donetsk e acordo com o exército ucraniano, os bombardeamentos chegaram a outras localidades.

Na região de Kherson, numa zona controlada pelas forças russas, meios de comunicação públicos relatam a morte de Vitalli Hura, o vice-presidente da câmara de Nova Kakhovka - assassinado a tiro, com vários disparos.

Entretanto, dois dos três navios de cereais que deixaram a Ucrânia ancoraram perto de Istambul, aguardando a inspeção da carga. O Navi Star com bandeira do Panamá partiu de Odessa transportando 33 mil toneladas de milho para a Irlanda. O Rojen, com a bandeira de Malta, carrega 13 mil toneladas de milho e tem o Reino Unido como destino. Outro navio de carga está a fazer o caminho inversa: o Fulmar S, que atracou no porto ucraniano de Chernomorsk prepara-se para novos carregamentos de cereais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia prepara-se para desastre nuclear

Pentágono e ONU reforçam ajuda à Ucrânia

Ataques em Zaporíjia: "Estamos perigosamente perto de um acidente nuclear"