EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Legislativas em Itália: extrema-direita reafirma oposição de "amor" contra governo de Draghi

Legislativas em Itália: extrema-direita reafirma oposição de "amor" contra governo de Draghi
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Giorgia Orlandi & Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Giorgia Meloni, líder dos Irmãos de Itália, aproveitou o último comício antes das eleições deste domingo, para se demarcar do executivo de coligação que governou o país durante a pandemia de covid-19.

PUBLICIDADE

Perante uma multidão animada, em Roma, os líderes da extrema-direita italiana cumprimentam apoiantes e tentam convencer os derradeiros indecisos. No último comício partidário antes de o país ser chamado às urnas, a estratégia dos Irmãos de Itália passou por demarcar o partido da esquerda, tal como frisou, esta quinta-feira, a líder, Giorgia Meloni.

"Obrigada por mostrarem a todos que, para nós, a política é amor e não ódio. É verdade e não mentira. É uma missão ao serviço dos cidadãos e não uma cruzada contra os nossos adversários. Essa é a diferença fundamental entre nós e a esquerda", disse, do púlpito, a dirigente política, durante o seu discurso.

Para muitos dos eleitores, a decisão de Meloni ter excluído o seu partido de extrema-direita do governo de coligação encabeçado por Mario Draghi, foi a mais acertada.

"Ela tem mais carisma, é a mais séria de todos e nunca mudou de causas", defende um participante no comício, com uma das bandeiras da campanha na mão.

E nem as raízes neofascistas do partido parecem incomodar os presentes.

"Ter medo de quê? Do fascismo? Isso não existe, porque se existisse eu não votaria nela. Talvez [tenham medo] por ela não ser facilmente manipulável pelos grandes poderes", returque uma eleitora.

"Nunca fomos contra a Europa"

Para os especialistas políticos, o apoio aos Irmãos de Itália tem vindo a aumentar, graças à mensagem clara e direta da líder.

E o voto na extrema-direita, assegura Andrea Ungari, professor universitário de Teoria e História dos Partidos Políticos e Movimentos, vem de vários setores da sociedade.

"Os seus eleitores incluem pessoas descontentes com a situação atual. Há também os que não concordaram com as políticas anti-covid e que não aprovaram nem a liderança de Draghi, nem a dos governos anteriores", afirma.

O cenário de uma eventual saída de Itália da União Europeia é também afastado pelo próprio partido, acusado de euroceticismo.

"Dentro do grupo conservador, a nossa posição tem sido por vezes mais "eurocrítica" do que - como muitos lhe chamaram - "eurocética". Nunca fomos contra a Europa mas achamos que a Europa, em algumas situações importantes, cometeu erros. Mesmo enquanto Presidente do partido Reformista e Conservador Europeu, Giorgia Meloni sempre foi clara. Ela quer permanecer nas instituições europeias para alterar algumas regras de forma a defender - quando necessário e como outros países o fazem - os interesses do nosso país", diz à Euronews Raffaele Fitto, copresidente do grupo Reformista e Conservador no Parlamento Europeu e membro dos Irmãos de Itália.

Com o embargo às sondagens, a duas semanas da ida às urnas, o resultado destas eleições é ainda imprevisível, tendo em conta o número de indecisos

Apesar de as últimas projeções darem uma clara liderança à coligação de direita, muitas pessoas decidem em quem votar no último minuto. E aí a afluência às urnas será crucial, tanto para o resultado final, como para determinar o futuro papel de cada partido político no parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campanha eleitoral encerra em Itália

Liga de Salvini abandona grupo de Meloni no Parlamento Europeu. Há riscos para o governo italiano?

Meloni procura reforma constitucional para eleição direta do primeiro-ministro