EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA: Câmara dos Representantes aprova aumento do teto da dívida

Kevin McCarthy, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA
Kevin McCarthy, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA Direitos de autor Jose Luis Magana/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jose Luis Magana/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A primeira etapa está concluída. A lei do Teto da Dívida tem ainda de passar pelo Senado, mas os norte-americanos e os mercados já respiram de alívio.

PUBLICIDADE

A Câmara dos Representantes, liderada pelos republicanos, aprovou a lei do Teto da Dívida, ultrapassando um obstáculo crucial para evitar que, a 5 de junho, o governo ficasse sem dinheiro e entrasse em incumprimento.

O presidente da Câmara, Kevin McCarthy anunciou o resultado: "Nesta votação, os votos a favor são 314, os votos contra são 117. A resolução é adoptada. Sem objeções, a moção de reconsideração é posta em cima da mesa."

A rápida aprovação pela Câmara e, no final da semana, pelo Senado garantirá que os cheques do governo continuarão a ser enviados aos beneficiários da Segurança Social, veteranos e outros, e evitará convulsões financeiras no país e no estrangeiro.

O pacote não deixa quase nenhum legislador totalmente satisfeito, mas o presidente Joe Biden e o presidente republicano da Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy, conseguiram reunir apoio do centro político, um momento raro na dividida Washington, um teste crucial à liderança democrata e republicana.

Os possíveis cenários eram críticos se não tivesse havido acordo entre republicanos e democratas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Joe Biden pede aprovação do acordo sobre o teto da dívida

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa