EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Irão: Polícia da moralidade volta a controlar o vestuário das mulheres

Mulheres de cabelo coberto no Irão
Mulheres de cabelo coberto no Irão Direitos de autor Vahid Salemi/Copyright 2022 The AP.
Direitos de autor Vahid Salemi/Copyright 2022 The AP.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dez meses após a morte de Mahsa Amini, a "Polícia da Moralidade" iraniana volta a controlar o vestuário das mulheres nas ruas, particularmente o uso do hijab.

PUBLICIDADE

O Irão está a retomar as patrulhas da "Polícia da Moralidade" para fazer cumprir o rigoroso código de vestuário que obriga as mulheres a cobrirem o cabelo em público.

A medida surge dez meses após a morte de Mahsa Amini, presa por violar o código de vestuário islâmico e morta sob custódia policial.

A morte da jovem curda, de 22 anos, deu origem a protestos a nível nacional que foram brutalmente reprimidos. Mais de 500 manifestantes foram mortos e cerca de 20.000 foram detidos.

A polícia da moralidade tinha recuado após os protestos em massa desencadeados pela morte de Mahsa Amini, em setembro passado, mas agora um porta-voz da polícia disse que a polícia da moralidade iria retomar a notificação e a detenção de mulheres que não usassem o hijab em público.

Na sequência da repressão, muitas mulheres continuaram a desrespeitar o código de vestuário oficial, especialmente na capital, Teerão, e noutras cidades.

A polícia da moralidade só raramente era vista a patrulhar as ruas e, em dezembro, houve mesmo alguns relatos - mais tarde desmentidos - de que tinha sido dissolvida.

Durante a crise, as autoridades insistiram que as regras não tinham mudado. Os dirigentes clericais do Irão consideram o hijab um pilar fundamental da revolução islâmica que os levou ao poder e consideram o vestuário mais informal um sinal da decadência ocidental.

As manifestações rapidamente se transformaram em apelos ao derrube dos governantes clericais do Irão, que os manifestantes, na sua maioria jovens, acusam de serem corruptos, repressivos e desfasados.

O governo iraniano atribuiu os protestos a uma conspiração estrangeira, sem apresentar provas.

Várias celebridades iranianas juntaram-se aos protestos, incluindo realizadores e actores proeminentes da célebre indústria cinematográfica do país.

Várias actrizes iranianas foram detidas por terem aparecido em público sem o hijab ou por terem manifestado o seu apoio aos protestos.

No caso mais recente, a atriz Azadeh Samadi foi impedida de aceder às redes sociais e foi ordenado por um tribunal que procurasse tratamento psicológico para um "distúrbio de personalidade antissocial", depois de ter aparecido num funeral, há dois meses, com um boné na cabeça.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudante iraniana Armita Garawand morre após quatro semanas em coma

Irão: Líder supremo preside ao cortejo fúnebre do presidente Raisi em Teerão

Milhares de iranianos reuniram-se em Tabriz para se despedirem do presidente Ebraham Raisi