EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Espanha perspetiva sistema bipartidário: PSOE e no PP podem dividir os votos

Pedro Sánchez e Alberto Núñez Feijóo
Pedro Sánchez e Alberto Núñez Feijóo Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
Direitos de autor AP Photo/Bernat Armangue
De  Juan Carlos de Santos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em espanhol

Nas eleições de maio, o PP ganhou impulso ao beneficiar do desaparecimento do Ciudadanos e lidera sondagens. O PSOE não sofreu tanto como o Podemos

PUBLICIDADE

Nas eleições legislativas em Espanha, os especialistas preveem um surpreendente aumento de votos de mais de 60% para os dois grandes partidos tradicionais, algo impensável noutros países europeus, onde a fragmentação política é mais acentuada. Quais são as razões por detrás desta tendência? Os especialistas apontam várias causas, uma das quais é a crise dos partidos que nasceram da indignação, como o Ciudadanos e o Podemos. Nenhum destes aparece nos boletins de voto.

"Os cidadãos estão cansados de projetos que nasceram com grandes esperanças e que se revelaram um bluff", diz Euprepio Padula, especialista em Liderança Política. "Quando há desencanto na política, podem acontecer duas coisas: ou se vai atrás dos populistas que nos vendem receitas fáceis para o nosso problema difícil, ou se opta pelo voto útil no partido que já conhecemos, e é isso que está a acontecer agora em Espanha", acrescenta Padula.

Do bipartidarismo ao "bibloquismo"

A sociedade espanhola passou por diferentes fases, do bipartidarismo ao multipartidarismo e agora ao "bibloquismo", como descrevem os especialistas. Embora os grandes partidos continuem a ter apoio, parecem continuar a depender de alianças com o VOX ou o Sumar para obterem a maioria.

"Neste momento, a situação está a tomar uma forma de dois-dois, porque estamos a ver que o PP e o PSOE estão no topo a competir pela primeira posição e depois, separadamente, Sumar e VOX a competir pela terceira e quarta posição", acrescenta Ferrándiz.

Lei eleitoral beneficia PSOE e PP

Para os dois partidos, o obstáculo sempre foi a lei eleitoral espanhola, que dá mais peso aos votos das províncias, onde as eleições tendem a ser mais tradicionais. Os pequenos partidos têm mais dificuldade em ganhar lugares porque não conseguiram penetrar nas províncias onde o voto tradicional beneficia os grandes partidos devido à sua proporção territorial.

A Lei d'Hont foi concebida para dar muito peso a esses pequenos e médios círculos eleitorais de que sempre falamos, onde, em função da sua população, teriam uma representação mais minoritária do que têm e têm um grande peso nas decisões", afirma José Pablo Ferrándiz, Diretor de Opinião Pública e Estudos Políticos da IPSOS.

A lei significa que os votos das regiões mais urbanas têm menos peso. Foi precisamente aqui que o Podemos e o Ciudadanos conseguiram obter a maioria dos seus votos noutras eleições. "Por exemplo, o Ciudadanos, para ter lugares em províncias como a Catalunha, teve de ter muito mais votos do que os necessários para o Partido Socialista", diz Euprepio Padula.

"O PP e o PSOE têm essa capacidade mais transversal que nem o Podemos nem os cidadãos em grupos sociais, em grupos etários e em territórios onde nunca chegaram", diz Ferrándiz.

Pandemia e guerra na Ucrânia não influenciaram tanto os grandes partidos como a crise de 2008

Outra das questões que tem permitido a sobrevivência dos partidos tradicionais, segundo José Pablo Ferrándiz, é o facto de as últimas crises não terem tido o mesmo impacto em termos de abertura de uma crise política que revolucionasse o panorama político com o aparecimento de novos partidos. Os projetos mais recentes já estavam em circulação. Em vez disso, cada um viveu a sua própria crise e cada uma das formações por razões diferentes.

A diferença em relação à crise de 2008 é que, desta vez, não houve um resgate com os cortes correspondentes, mas outra série de políticas expansivas que não fizeram mossa nas formações que estão a governar nas regiões ou no país.

"Com a pandemia, mesmo com a guerra na Ucrânia, a Europa também tentou, naturalmente, dar uma solução menos radical, que afeta menos os cidadãos e a classe média, como aconteceu em 2008. Portanto, isso também permitiu um cenário diferente para os partidos tradicionais se consolidarem", sublinha o diretor de Opinião Pública da IPSOS.

Ciudadanos e Podemos perderam votos de formas diferentes

Quanto ao Ciudadanos e ao Podemos, ambos perderam votos, mas de formas diferentes. O Ciudadanos sofreu uma perda significativa de eleitores, ao ponto de ter decidido não se apresentar nas últimas eleições. O Podemos, por outro lado, tem mantido uma base eleitoral mais sólida, embora tenha tido de se aliar a outras forças políticas para manter a sua representação.

De acordo com Ferrándiz, a estratégia da formação laranja foi errada:"Foi uma má decisão estratégica quando, de repente, optou por se posicionar claramente num dos dois blocos, no bloco da direita".

Por seu lado, Padula aponta a "sequência monumental de erros estratégicos" e a falta de "autocrítica", que levou ao "desaparecimento completo" do partido_._

Este desaparecimento fortaleceu o Partido Popular, que, segundo a imprensa espanhola, enfrenta as próximas eleições com uma maior percentagem de intenções de voto.

No caso do Podemos, porém, a queda não foi tão grande. O partido foi gravemente afetado pelas eleições regionais de maio, em que perdeu representação em Madrid. No espaço de uma semana, teve de se juntar à plataforma de esquerda Sumar para poder concorrer às eleições e evitar uma fragmentação eleitoral que o poderia ter afetado ainda mais, segundo os especialistas.

"Teria excluído a possibilidade de reeditar um governo de esquerda", sublinha Ferrándiz. No entanto, o especialista salienta que o terreno eleitoral do Podemos sempre foi muito firme. "Um terreno que talvez pudéssemos estabelecer em torno de 9-10% dos votos, algo que não aconteceu com o Ciudadanos, no qual vimos rapidamente deixaram de confiar... Deixaram de confiar muito rapidamente e todos quase ao mesmo tempo".

Podemos não se saiu tão bem na coligação como o PSOE

De acordo com os especialistas, o partido roxo foi afetado pela forma como geriu algumas questões durante a legislatura, como a lei Solo Sí es Sí, ou melhor, a lei da Igualdade, da qual fazia parte uma ministra do Podemos, Irene Montero. A lei consagra o consentimento como a chave para a liberdade sexual. No entanto, a forma como foi aprovada não foi do agrado do Parlamento e teve de ser modificada ao longo dos meses porque, segundo os seus promotores, teve efeitos indesejados, como a redução das penas para os violadores.

PUBLICIDADE

A lei que pretendia ajudar a esquerda acabou por sair pela culatra, segundo os especialistas. "O balanço que as pessoas fazem. E não estou a falar apenas de pessoas de direita, estou a falar também de pessoas, socialistas, pessoas de esquerda. Não é particularmente positivo", sublinha Padula.

"Foi um governo de coligação marcado por muitas divergências entre os principais partidos e, depois, também teve de chegar a acordos com os independentistas, com o Bildu, com uma série de forças políticas que ainda não são muito populares em Espanha", acrescenta o especialista em liderança política.

De acordo com Ferrándiz, o PSOE também foi prejudicado pelos seus erros, assim como pelos seus êxitos. Mas, enquanto chefe de Governo, "o presidente do partido que faz parte da coligação a que pertence tende a ter ou a tirar todos os benefícios eleitorais e políticos".

"O clima social mudou"

Em suma, os dois especialistas concordam que os eleitores mudaram. Procuram agora outro tipo de interesses. De acordo com José Pablo Ferrándiz, o estado de espírito social mudou: "Passou-se da indignação para aquilo a que chamaríamos uma normalização da esfera política", salienta.

Por seu lado, Euprepio Padula salienta que "quando há um desencanto com a política, podem acontecer duas coisas: ou se vai atrás dos populistas que nos vendem receitas fáceis para o nosso problema difícil, ou se vai atrás do voto útil num partido que já conhecemos, que é o que está a acontecer agora em Espanha". "Pessoalmente, penso que estão a procurar a solução que lhes parece menos má", conclui.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os cenários possíveis após as legislativas em Espanha

Pedro Sánchez, uma carreira com altos e baixos

Oposição condena acordo de Sánchez e Puigdemont sobre amnistia a separatistas catalães