Surto de sarampo pode alastrar na Ucrânia, agravado pela guerra

O pediatra Fedir Lapii examina uma criança antes de administrar uma vacina em Kiev, na Ucrânia. 23 de abril de 2013
O pediatra Fedir Lapii examina uma criança antes de administrar uma vacina em Kiev, na Ucrânia. 23 de abril de 2013 Direitos de autor Sergei Chuzavkov/AP
Direitos de autor Sergei Chuzavkov/AP
De  Una Hajdari
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Antes da guerra, as taxas de imunização na Ucrânia já eram baixas devido ao persistente ceticismo em relação às vacinas. A par das perturbações causadas pela invasão em curso, é possível que surja um novo surto de sarampo este ano.

PUBLICIDADE

Os especialistas em saúde estão preocupados com a possibilidade de ocorrer um novo surto de sarampo no país devastado pela guerra se centenas de milhares de crianças em idade escolar não vacinadas regressarem à escola em setembro.

"O ministério da Saúde da Ucrânia e os centros de vacinação monitorizam constantemente os riscos de contágio e o maior risco que enfrentamos neste momento no país é o de um surto de sarampo", sublinhou Ihor Kuzin, vice-ministro da Saúde da Ucrânia, aos jornalistas no início desta semana.

No passado, a Ucrânia foi um ponto de entrada do sarampo no continente, com o ceticismo em relação à vacina e as interrupções no fornecimento a provocarem um grande surto em 2019.

"A primeira explosão de sarampo na Ucrânia ocorreu no período 2017-2019 e foi um surto massivo que o governo estava a tentar mitigar. Na altura, cerca de 115 mil crianças contraíram a doença", continuou Kuzin.

De acordo com o ministério da Saúde, só 74% das crianças de 1 ano e 69% das crianças de 6 anos receberam a sua primeira e segunda vacinação contra o sarampo, respetivamente, em 2022.

Essas crianças, bem como outras que não tomaram as vacinas regularmente programadas entre os 2 e os 17 anos de idade, irão para as salas de aula onde o risco de contágio é muito maior.

Sergei Chuzavkov/AP2009
Um trabalhador médico prepara-se para administrar uma vacina a uma criança acompanhada pela mãe em Kiev, na Ucrânia, 20 de março de 2009.Sergei Chuzavkov/AP2009

"Cerca de 260 mil crianças têm de ser vacinadas e, enquanto isso não acontecer, corremos o risco de um surto massivo", explicou Kuzin, sublinhando que este número se refere às crianças que não tomaram as vacinas do calendário regular.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa transmitida por gotículas respiratórias, com complicações que incluem pneumonia e inflamação cerebral. É também quase totalmente evitável através de vacinas.

"Por isso, até 1 de setembro, quando começam as aulas, estas crianças têm de ser vacinadas", concluiu Kuzin, instando as pessoas a vacinarem-se durante o próximo mês e meio.

Dificuldades de vacinação devido à invasão

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a Ucrânia se tornou mais vulnerável a doenças contagiosas após o lançamento da invasão em grande escala pela Rússia em fevereiro de 2022.

A aglomeração de pessoas em abrigos antibombas, ao longo das fronteiras e em outras áreas, bem como o incumprimento dos calendários de vacinação, facilitam a propagação de vírus de um hospedeiro para outro em rápida sucessão.

"Quando a invasão russa da Ucrânia começou, apercebemo-nos de que os maiores riscos para a saúde no país eram os surtos de difteria e sarampo. O importante neste momento, para controlar a escala do surto, é vacinar as crianças não vacinadas que se encontram no país", disse Vusala Allahverdiyeva, especialista em Prevenção de Doenças e Imunização da OMS.

Embora muitas crianças tenham sido inicialmente retiradas da escola quando a invasão foi lançada e tenham sido ensinadas através de aulas online, é provável que certas partes do país onde a intensidade dos combates é menor voltem a ter aulas presenciais, à medida que a Ucrânia aprende a adaptar-se à vida sob invasão.

Nos próximos meses, o ministério da Saúde, com a ajuda da UNICEF, irá também operar com equipas móveis de vacinação para chegar às pessoas que tiveram de se afastar das suas cidades ou vilas devido à invasão.

Cerca de 318 equipas móveis fornecerão vacinas às pessoas deslocadas internamente em todas as regiões do país.

Andrii Pashynnyi, responsável pela imunização no ministério, exortou os ucranianos a ignorarem os opositores da vacinação neste momento crucial.

"Se o seu médico diz que não deve ser vacinado, deve mudar de médico. Apelamos a toda a gente a vacinar-se", disse Pashynnyi.

Para além de as crianças não vacinadas constituírem um risco para as que se encontram atualmente na Ucrânia, não é improvável que as crianças ucranianas refugiadas não vacinadas na União Europeia (UE) corram também um maior risco de contrair e propagar o sarampo e outras doenças infecciosas.

PUBLICIDADE
Efrem Lukatsky/Copyright 2021 The AP. All rights reserved.
Manifestantes reúnem-se para protestar contra as restrições da Covid-19 e os mandatos de vacinas em Kiev, na Ucrânia. 24 de novembro de 2021.Efrem Lukatsky/Copyright 2021 The AP. All rights reserved.

Desinformação e certificados falsos

Em 2008, uma notícia falsa sobre um jovem que morreu de meningite bacteriana depois de ter recebido uma vacina contra o sarampo levou o ministério da Saúde a suspender a vacinação e muitos ucranianos a decidirem não imunizar os seus filhos, apesar das objeções da OMS.

De acordo com os relatórios, este facto levou a uma queda significativa da confiança do público nas vacinas e o nível de vacinação contra o sarampo entre as crianças pequenas desceu de mais de 90% no período 2008-2010 para apenas 40% em 2010.

Os especialistas insistem que é necessária uma taxa de vacinação de 95% na população em geral para prevenir eficazmente quaisquer casos de sarampo.

"De cinco em cinco anos, há um grande surto de sarampo na Ucrânia. As pessoas não o levam a sério porque a estatística europeia geral é que uma em cada mil pessoas morre de sarampo, mas é uma doença perigosa e muito infecciosa", explicou Fedir Lapii, chefe do Grupo Técnico Nacional de Peritos em Imunização.

Em 2019, a Euronews noticiou o aumento do número de mães na Ucrânia que optam por subornar os seus médicos para que estes emitam certificados de vacinação falsos, em vez de imunizarem os seus filhos pequenos.

PUBLICIDADE

A desinformação sobre as vacinas está generalizada a nível mundial e foi registada de forma aguda no auge da pandemia da Covid-19, quando muitos recusaram a vacina que salvava vidas.

"Dado que o país está a enfrentar a agressão russa, não devemos dar ao sarampo ou a qualquer outra doença a oportunidade de nos enfraquecer. Por favor, não contraiam uma doença que é facilmente evitável", apelou Lapii.

As autoridades ucranianas indicaram que, devido às suspeitas sobre a eficácia das vacinas provenientes da Índia - que a OMS insiste serem infundadas - adquiriram um lote de vacinas inteiramente fabricadas na Europa para evitar que alguém seja dissuadido da imunização.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Surto de sarampo na Europa: casos aumentaram 30 vezes no período de um ano

Estados Unidos confirmam bombas de fragmentação americanas já em uso na Ucrania

Professores ucranianos preparam-se para aulas mais uma vez em tempo de guerra