EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Quando os cereais ucranianos são o alvo

Cereais ucranianos
Cereais ucranianos Direitos de autor AP/AP
Direitos de autor AP/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Zelensky considera "inaceitável" a possibilidade de uma extensão das restrições à exportação de cereais ucranianos dentro da UE. ONU e EUA instam Rússia a reativar acordo de exportação de cereais com a Ucrânia, alertando que 'os mais vulneráveis' sofrerão.

PUBLICIDADE

De um lado, os bombardeamentos russos, do outro, um muro de restrições.

A Ucrânia levanta o tom contra a União Europeia sobre a possibilidade de serem estendidas, até ao final do ano, as restrições às exportações de cereais ucranianos para proteger os agricultores de 5 países da UE (Polónia, Bulgária, Hungria, Eslováquia e Roménia).

"Qualquer extensão das restrições é absolutamente inaceitável e totalmente não europeia. A Europa tem capacidade institucional para agir de forma mais racional do que fechar uma fronteira para um determinado produto. Estamos a trabalhar muito ativamente com todos para encontrar uma solução que esteja alinhada com o espírito da nossa Europa," declarou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy.

Desde que a Rússia não renovou o acordo sobre as exportações de cereais ucranianos, os drones e mísseis de Moscovo atingiram silos e instalações portuárias na Ucrânia e ameaçaram os navios que se dirigiam aos portos ucranianos

Os EUA apontam o dedo acusador.

"As ações do Kremlin, incluindo a suspensão de sua participação na Iniciativa de Cereais do Mar Negro, causaram uma séria volatilidade nos preços dos alimentos, o que prejudicará mais as áreas empobrecidas e duramente atingidas do mundo. Instamos a Rússia a parar de ter como alvo o fornecimento de alimentos e retornar à Iniciativa de Cereais do Mar Negro imediatamente," afirmou a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

O secretário-geral da ONU também alertou para as consequências que a suspensão do acordo de exportação de cereais ucranianos tem sobre os países mais pobres. Numa semana, o preço do trigo subiu mais de 14% e o do milho mais de 10%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy avalia estragos de ataque aéreos na cidade portuária de Odesa

Unesco vai inspecionar património bombardeado em Odessa

Cinco países pedem prorrogação do embargo aos cereais ucranianos