EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Crianças ucranianas regressam às aulas na Polónia para fugir à guerra

Milhares de crianças ucranianas começam um novo ano letivo na Polóna
Milhares de crianças ucranianas começam um novo ano letivo na Polóna Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Magdalena Chodownik & Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo segundo ano consecutivo, milhares de crianças ucranianas refugiadas voltam à escola num país estrangeiro. Traumas e barreiras linguísticas dificultam adaptação.

PUBLICIDADE

Com a chegada de setembro, milhares de crianças em toda a Europa regressam às aulas. O ritual é cumprido sem falha também na Polónia, onde mais de 170 mil crianças ucranianas se preparam para o segundo ano letivo fora do país em guerra.

Em Varsóvia, alunos e professores de uma escola ucraniana debatem-se com os desafios da distância, mas não só.

"O maior desafio foi a transição do ensino gratuito para o ensino pago", confessa Marina Yusyn, da Fundação "Ucrânia Inquebrável". A mudança, explica, deve-se "a uma diminuição da ajuda dos doadores internacionais". 

"A assistência aos refugiados ucranianos no estrangeiro está a diminuir ligeiramente", diz Marina, para quem, apesar de tudo, "isso não é mau, porque a assistência na Ucrânia está a aumentar".

Alguns estudantes estão já matriculados em estabelecimentos de ensino polacos. Mas as aulas em ucraniano e o ambiente de proximidade são valorizados por quem se viu obrigado a abandonar o país.

É o caso de Viktoriia, que mesmo nos esporádicos regressos à Ucrânia, tenta manter o contacto com os colegas de turma. 

Estudar longe do país de origem "é um pouco difícil, porque já estamos no 11.º ano", desabafa,"mas estamos felizes por termos uma companhia tão calorosa, onde todos se apoiam uns aos outros".

A vida após perder-se "o mundo inteiro"

De acordo com a Agência das Nações Unidas para Assuntos Humanitários (OCHA), com base num estudo do Comité Internacional de Resgate (IRC), cada uma das 85 mil salas de aula polacas vai acolher, este ano, pelo menos um aluno ucraniano refugiado. 

A frequência do ensino num país estrangeiro e numa língua diferente exigem mais apoio no acompanhamento das crianças. A esses desafios, Alan Moseley porta-voz do Comité Internacional de Resgate, acresce que "o stress da deslocação, do trauma e da incerteza afeta os pais e também as crianças". 

"As crianças disseram-nos que sentem ter perdido 'o mundo inteiro',  esta foi uma frase que surgiu no nosso estudo. E isso dificultou-lhes a concentração, a adaptação e o sucesso nas escolas polacas. Há desafios e barreiras específicas que as crianças ucranianas ainda enfrentam, por exemplo, a barreira da língua é uma das que nos foi mencionada e que impede as crianças de serem aceites e incluídas".

Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) dão conta que menos de metade das crianças ucranianas foi matriculadas em escolas na Polónia. 

O fenómeno levou a ONU a apelar aos pais para que inscrevam os filhos no sistema de ensino presencial, lembrando que as escolas não servem apenas para ensinar, mas também ajudam à socialização e ao bem-estar mental.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Munições de urânio empobrecido fazem parte da nova ajuda dos EUA à Ucrânia

Tusk nomeia comissão para investigar influência russa e bielorrussa após detenções de espiões

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia