EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Israel autoriza entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza

Benjamin Netanyahu abraça Joe Biden na chegada do presidente dos EUA a Telavive, Israel
Benjamin Netanyahu abraça Joe Biden na chegada do presidente dos EUA a Telavive, Israel Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Decisão foi tomada na sequência de um pedido do presidente dos EUA, Joe Biden, em visita ao país.

PUBLICIDADE

O governo israelita anunciou ter autorizado a entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza a partir do Egito.

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que a decisão foi aprovada à luz de um pedido do presidente dos EUA, Joe Biden, em visita ao país.

Num comunicado, afirmou que "não irá impedir" as entregas de alimentos, água e medicamentos, desde que os fornecimentos não cheguem ao Hamas. A declaração não menciona se a medida abrange o combustível, essencial para o funcionamento de geradores.

Não ficou claro quando é que a ajuda começará a chegar. A passagem egípcia de Rafah tem uma capacidade limitada e, segundo o Egito, foi danificada pelos ataques aéreos israelitas.

Biden acredita que "a outra equipa" atacou hospital em Gaza

O Presidente Joe Biden chegou esta quarta-feira a Israel. No aeroporto, tinha à espera uma comitiva presidida pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Telavive quer deixar claro que foi a Jihad Islâmica e não o exército israelita a bombardear um hospital em Gaza, um dia antes. E a narrativa parece ter convencido Biden. 

Aos jornalistas, o presidente norte-americano disse acreditar que o ataque tenha sido realizado "pela outra equipa" e que os Estados Unidos vão continuar a apoiar Israel.

"Ao responder a estes ataques, Israel tem de continuar a garantir que tem o que precisa para se defender. E nós vamos garantir que isso aconteça", assegurou o chefe de Estado norte-americano.

Scholz defende direito à defesa de Israel no Egito

A ida de Biden a Israel coincide com a visita do chanceler Olaf Scholz ao Egito, para reforçar o apoio da Alemanha ao país africano na busca de uma solução diplomática para o conflito entre Israel e Gaza. 

No Cairo, o líder alemão defendeu o direito de Israel a defender-se mas deixou claro que o Hamas não é o povo palestiniano.

"Para nós é claro: os palestinianos não são o Hamas e o Hamas não tem o direito de falar em nome dos palestinianos. O Hamas está a fazer reféns pessoas inocentes e a utilizá-las indevidamente como escudos humanos. O nosso objetivo é proteger os civis e fazer alguma coisa para acabar com o sofrimento humano".

Egito teme ataque de Israel caso acolha deslocados de Gaza

O Egito, que faz fronteira com Gaza, rejeita receber uma deslocação forçada de palestinianos. 

O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sissi afirmou esta quarta-feira temer que um "êxodo em massa" para a península do Sinai transforme a região num campo de operações militares e exponha o território a ataques de Israel.

"Transferir os cidadãos palestinianos da Faixa de Gaza para o Sinai significa simplesmente que a ideia de resistência e de luta de Gaza estará no Sinai. Por conseguinte, o Sinai será uma base de operações contra Israel e, nesse caso, Israel terá o direito de se defender e de dirigir os seus ataques contra o território egípcio", disse.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Câmara dos Representantes dos EUA aprova ajuda "apenas para Israel"

Maior hospital de Gaza à beira da rutura

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah