Ucrânia declara "nula e sem efeito" a eleição presidencial russa nos territórios ocupados

Desmantelamento da polémica estátua de Mykola Shchors, em Kiev
Desmantelamento da polémica estátua de Mykola Shchors, em Kiev Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A eleição presidencial na Rússia vai decorrer de 15 a 17 de março de 2024. Vladimir Putin já declarou a sua recandidatura.

PUBLICIDADE

Na sequência do anúncio da data da próxima eleição presidencial na Rússia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano declara "nula e sem efeito" qualquer tentativa de eleição presidencial que a Rússia tente realizar nos territórios ocupados da Ucrânia.

Kiev sublinhou que uma tal votação "violaria grosseiramente" a legislação ucraniana e os capítulos da ONU. O Ministério dos Negócios Estrangeiros apelou à imposição de sanções a todos os envolvidos na organização da votação e prometeu que quaisquer observadores internacionais enviados para monitorizar as eleições russas "enfrentarão responsabilidade criminal".

A eleição presidencial na Rússia vai decorrer de 15 a 17 de março de 2024. Vladimir Putin já declarou a sua recandidatura.

A Rússia já realizou várias votações em partes ocupadas das regiões do sudeste ucraniano, tais como um referendo em setembro de 2022 e eleições locais em 2023; todas elas foram fortemente condenadas pela comunidade internacional e não obtiveram qualquer reconhecimento.

Desmantelamento dos símbolos soviéticos na Ucrânia

Como continuação da "desovietização", o conselho municipal de Kiev permitiu o desmantelamento do monumento ao comandante do Exército Vermelho na Guerra Civil, Mykola (Nikolai) Shchors, que foi um oficial da Primeira Guerra Mundial que mais tarde se tornou comandante do Exército Vermelho durante a Guerra Civil de 1918-1919. 

Mykola Shchors liderou um regimento e uma brigada em batalhas contra a República Popular da Ucrânia e acabou por ser nomeado o primeiro comandante (soviético) de Kiev. Foi morto em 1919 em circunstâncias pouco claras: nos anos 60, surgiram opiniões segundo as quais não teria sido morto num combate contra os "inimigos da Revolução", mas sim assassinado pelos seus.

O monumento foi erigido no tempo de Estaline (iniciado em 1940, suspenso pela guerra e concluído em 1954) e, após a dissolução da URSS, tornou-se objeto de discussões e de ataques. Essas tentativas aumentaram drasticamente a partir de 2014, mas, em 2016, o conselho municipal de Kiev ainda defendia a sua manutenção. No entanto, após uma série de ataques em 2018 (graffiti, perna de cavalo serrada), a estátua foi escondida atrás de cortinas coloridas com a bandeira ucraniana. Agora foi, finalmente, removida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições parlamentares no Irão começam com mais de 15 mil candidatos

Donald Trump excluído do boletim de voto no Illinois

Rússia dá início à votação antecipada para as eleições presidenciais