Kiev vai mobilizar ucranianos a viver no estrangeiro e pondera sanções para quem não cumprir

Drone russo atinge armazén na Ucrânia
Drone russo atinge armazén na Ucrânia Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministro da Defesa da Ucrânia admitiu que os homens em idade militar que vivam no estrangeiro vão ser chamados e poderão ser sancionados se não se apresentarem nos centros de recrutamento.

PUBLICIDADE

Depois de o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy ter revelado, já esta semana, que o exército pediu a mobilização de mais meio milhão de soldados, o ministro da Defesa da Ucrânia, Rustem Umerov, anunciou esta quinta-feira que vai convocar homens em idade militar residentes no estrangeiro para lutarem pela Ucrânia.

Numa entrevista a vários órgãos de comunicação social alemães, Umerov precisou que os homens entre os 25 e os 60 anos que estejam aptos a combater e vivam fora da Ucrânia vão ser chamados a apresentar-se e admitiu que pode haver sanções para os que não comparecerem. 

A medida poderá ser uma resposta ao intensificar dos ataques russos: na madrugada desta quinta-feira, a Ucrânia voltou a estar debaixo de uma chuva de drones. Kiev revelou que a Rússia lançou em várias regiões 35 drones Shahed de fabrico iraniano, dos quais 34 foram abatidos pelas defesas aéreas. Em Nikopol, no sul da Ucrânia, as autoridades confirmaram a morte de duas mulheres e um ferido na sequência dos ataques.

Os ataques ocorreram “em ondas” durante toda a noite e tiveram origem em Chauda, região situada na Crimeia ocupada pelas tropas russas, em Primorski-Akhtarsk, na costa oriental do Mar de Azov, e Kursk, uma cidade russa perto da fronteira norte da Ucrânia, confirmou a Força Aérea ucraniana no Telegram.

Nos últimos dias, a Rússia tem atacado repetidamente as frentes ucranianas. Kiev acusa o Kremlin de tentar aterrorizar a população civil e destruir as infraestruturas energéticas para, tal como aconteceu no inverno passado.

No terreno, como resposta, a Ucrânia tem estado a reforçar os sistemas de defesa aérea com armas ocidentais capazes de destruir a maioria dos drones e mísseis disparados pela Rússia.

Na Rússia, segundo as autoridades, os sistemas de defesa abateram um drone ucraniano na região de Bryansk, que faz fronteira com a Bielorrússia e a Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque de larga escala com drone faz dois feridos em Kiev

ISW: Ucrânia conseguiu reduzir significativamente as atividades da Rússia no Mar Negro

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia