Cem dias de guerra em Gaza: Conflito já matou um em cada 100 habitantes

Conflito matou um em cada 100 habitantes da Faixa de Gaza
Conflito matou um em cada 100 habitantes da Faixa de Gaza Direitos de autor Adel Hana/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quando passam cem dias sobre o início do conflito entre Israel e o Hamas, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu diz na televisão: "Ninguém nos vai parar".

PUBLICIDADE

Os ataques israelitas já mataram um em cada cem habitantes da Faixa de Gaza, numa altura em que o conflito, o mais longo entre israelitas e palestinianos desde a guerra israelo-árabe de 1948, chega à marca dos cem dias, atingida este domingo. O balanço mortal dos combates é agora de mais de 24 mil pessoas.

Este domingo, dois civis israelitas morreram no norte de Israel, com um míssil antitanque disparado do Líbano pelo Hezbollah. Antes disso, no sábado, um ataque aéreo israelita mortal foi registado no bairro de Daraj, na cidade de Gaza, matando pelo menos 20 pessoas, incluindo crianças, de acordo com fontes palestinianas.

As forças de Israel publicaram pela primeira vez um vídeo que mostra a unidade "Refaim", ou "Fantasmas" em ação; um dos principais objetivos da unidade é encontrar, descobrir e destruir alvos "escondidos", como os líderes do Hamas.

"Ninguém nos vai parar"

Os dirigentes israelitas prometem continuar a operação, que tem ainda dois objetivos principais: libertar todos os reféns ainda detidos em Gaza e eliminar o Hamas. O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu disse numa comunicação televisiva, no sábado à noite: "Ninguém nos vai parar - nem Haia, nem o Eixo do Mal".

Os comentários de Netanyahu seguem-se às audiências do Tribunal Internacional de Justiça sobre as acusações da África do Sul de genocídio israelita contra os palestinianos, uma alegação que Israel rejeita como caluniosa e hipócrita.

O caso perante o tribunal deverá prolongar-se por vários anos, mas as decisões provisórias poderão ser emitidas dentro de semanas. Netanyahu deixou claro que Israel não cumprirá quaisquer ordens para cessar as hostilidades, o que poderá aprofundar o isolamento internacional do país.

A pressão internacional sobre Israel para que ponha termo ao conflito aumentou, com protestos em várias cidades a exigir a sua cessação. Os EUA, oferecendo apoio diplomático e militar, protegem Israel de grande parte desta pressão.

As preocupações com um conflito mais vasto têm estado presentes desde o início da guerra, com a abertura de novas frentes envolvendo grupos apoiados pelo Irão no Iémen, Líbano, Iraque e Síria. Os EUA aumentaram a sua presença militar na região para impedir uma nova escalada.

Na sequência de uma campanha Houthi de ataques com drones e mísseis a navios comerciais no Mar Vermelho, os EUA e o Reino Unido lançaram ataques aéreos contra os rebeldes no Iémen na sexta-feira.

Por sua vez, os combatentes do Hamas e parceiros continuam a oferecer uma forte resistência, ainda capaz de limitar a liberdade de ação israelita na Faixa de Gaza, um território que tem apenas 40 x 10 km.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestações em todo o mundo pedem paz na Palestina

Análise: O que pensa a UE do processo de genocídio contra Israel?

Hamas sob pressão dos EUA para aceitar acordo de cessar-fogo