Euroviews. Os Houthis são o modelo dos atores não estatais do século XXI

Combatentes Houthi e membros de tribos organizam uma manifestação contra os ataques dos EUA e do Reino Unido a instalações militares dirigidas pelos Houthi perto de Sanaa, janeiro de 2024
Combatentes Houthi e membros de tribos organizam uma manifestação contra os ataques dos EUA e do Reino Unido a instalações militares dirigidas pelos Houthi perto de Sanaa, janeiro de 2024 Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Hafed Al-Ghwell
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

A resistência dos Houthis contra uma coligação de potências regionais e mesmo longínquas só fez aumentar a sua reputação, transformando-os de um grupo local marginalizado num ator regional influente, escreve Hafed Al-Ghwell.

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, o movimento Houthi emergiu como mais um ator não estatal proeminente no Médio Oriente e no Norte de África, particularmente no Iémen.

As suas ações têm implicações de grande alcance, não só para o equilíbrio de poder regional, mas também para o comércio e a segurança mundiais. Mas, para muitos, permanece a questão: quem são eles e qual é o seu objetivo final?

O grupo, formalmente conhecido como Ansar Allah, é um movimento político-religioso liderado por Zaidi Shia que surgiu no norte do Iémen na década de 1990.

Inicialmente, surgiu como um movimento teológico de protesto contra o que consideravam ser os esforços para marginalizar a seita Zaidi e a proliferação da influência estrangeira no Iémen.

No entanto, ao longo das últimas duas décadas, transformaram-se numa força militar significativa e num dos principais intervenientes na guerra civil iemenita, que tem colocado várias forças nacionais e regionais em confronto desde 2004.

O que querem os Houthis?

O principal objetivo político dos Houthis tem-se mantido constante ao longo do tempo: obter o reconhecimento internacional de um governo dominado pelos Houthis no Iémen.

No entanto, recentemente, os seus objetivos passaram a incluir influenciar assuntos para além das fronteiras do Iémen. Os Houthis transformaram o Mar Vermelho num teatro para a afirmação do grupo.

A importância estratégica de uma via marítima fundamental, que tem dois dos 14 pontos de estrangulamento do mundo, não pode ser subestimada.

Ao atacarem esta artéria do comércio mundial, os Houthis não só perturbam as cadeias de abastecimento vitais, como também põem à prova a determinação da comunidade internacional.
Mohammed Ali al-Houthi, antigo presidente do Comité Revolucionário, chega a um protesto contra os ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos em Sanaa, este mês.
Mohammed Ali al-Houthi, antigo presidente do Comité Revolucionário, chega a um protesto contra os ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos em Sanaa, este mês.AP Photo

Mais de 10% do comércio marítimo mundial, incluindo cerca de 5 milhões de barris de petróleo, transitam diariamente por este corredor.

Ao atacarem esta artéria do comércio mundial, os Houthis não só perturbam as cadeias de abastecimento vitais, como também põem à prova a determinação da comunidade internacional.

Cada ataque confere-lhes notoriedade global, ao mesmo tempo que aumenta os custos relativos da relutância coletiva do Ocidente em pressionar Israel a abandonar a sua guerra contra o Hamas.

Como a ascensão dos Houthis afeta o panorama global dos conflitos?

A ascensão dos Houthis é indicativa de uma tendência mais ampla de atores não estatais que ganham proeminência em pontos críticos mundiais, desafiando os modelos tradicionais de política global centrados no Estado.

Os seus "sucessos" servem de manual, não só para outros grupos não estatais, mas também para a forma como os atores estatais podem gerir elementos por procuração em contextos extraterritoriais.

Até à data, cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo vivem em zonas controladas, em graus variáveis, por intervenientes armados não estatais, a maioria das quais em África e em partes do Médio Oriente.
Apoiantes Houthis cantam slogans segurando cartazes onde se lê "Morte à América, Morte a Israel", enquanto participam num comício em Sanaa, em março passado.
Apoiantes Houthis cantam slogans segurando cartazes onde se lê "Morte à América, Morte a Israel", enquanto participam num comício em Sanaa, em março passado.AP Photo/Hani Mohammed

Os atores não estatais podem assumir muitas formas, muitas vezes sobrepostas, para perseguir objetivos de natureza ideológica, política, mercenária ou territorial - e, quando não controlados, a captura parcial ou total do Estado, como se viu na Líbia.

Nos últimos anos, a proliferação destes grupos armados não estatais acelerou a deterioração da legitimidade do Estado e das capacidades institucionais num cenário de conflito global em convulsão. Conter ou contrariar esses grupos é um desafio, especialmente em contextos em que eles se "entrincheiram".

Até à data, cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo vivem em zonas controladas, em graus variáveis, por intervenientes armados não estatais, a maioria das quais em África e em partes do Médio Oriente.

Efeito dominó dos atores não estatais

Enquanto atores não estatais, os Houthis exercem um nível de influência difícil de ignorar, tendo-se tornado uma força desestabilizadora significativa perto de uma importante artéria do comércio mundial e de um Corno de África instável.

Como parte do Eixo de Resistência do Irão, o grupo é agora capaz de conduzir táticas mais sofisticadas e invulgarmente agressivas, aumentando as preocupações quanto a uma maior instabilidade regional.

PUBLICIDADE
Combatentes xiitas, conhecidos como Houthis, seguram as suas armas em Sanaa, em abril de 2015.
Combatentes xiitas, conhecidos como Houthis, seguram as suas armas em Sanaa, em abril de 2015.AP Photo/Hani Mohammed

A resistência dos Houthis contra uma coligação de potências regionais e mesmo longínquas só fez aumentar a sua reputação, transformando-os de um grupo local marginalizado num ator regional influente.

Para grupos semelhantes, demonstra que é possível resistir e sobreviver a uma investida de uma coligação de Estados mais poderosos.

A utilização eficaz de táticas de guerra assimétrica também fornece um roteiro para outros atores não estatais alcançarem as suas ambições em alguns dos espaços não governados do mundo.

Esta dinâmica é importante não só porque altera as estruturas de poder e a dinâmica dos conflitos na região, mas também porque tem implicações significativas para a segurança global.

Qual é o caminho a seguir?

A escalada dos Houthis no Mar Vermelho é a nova realidade do conflito do século XXI - um mundo em que atores não estatais, inexplicáveis e inatacáveis, exercem uma influência letal na prossecução de objetivos limitados em detrimento de tudo o resto.

PUBLICIDADE

Na ausência de uma solução holística para os conflitos intratáveis da região, os ataques dos Houthis no Mar Vermelho resultarão provavelmente em choques profundos que afetarão de forma desproporcionada os países em desenvolvimento.

O mundo precisa de ser cuidadoso na forma como entende e interage com a proliferação de atores não estatais no Médio Oriente e no Norte de África, adoptando estratégias que vão além da ação militar cinética.

Estas estratégias podem incluir negociações credíveis, a resolução dos conflitos na região - especialmente a questão palestiniana -, um apoio generoso aos países empobrecidos antes da realização de reformas socioeconómicas fundamentais e outros esforços complementares que visem as causas profundas do aparecimento de grupos como os Houthis.

Hafed Al-Ghwell é investigador sénior e diretor executivo da Iniciativa do Norte de África no SAIS Foreign Policy Institute, da Universidade John Hopkins.

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA destroem mísseis houthis preparados para atacar navios no Mar Vermelho

Estados Unidos lançam nova ronda de mísseis contra alvos Houthi no Iémen

Porto de Trieste vai resistindo ao impacto dos ataques dos Houthis no Mar Vermelho