Mãe de Alexei Navalny diz que morgue recusa entregar corpo do filho

Um retrato do líder da oposição russa Alexei Navalny, flores e velas são colocados no Memorial às Vítimas da Repressão Política em São Petersburgo, a 16 de fevereiro de 2024.
Um retrato do líder da oposição russa Alexei Navalny, flores e velas são colocados no Memorial às Vítimas da Repressão Política em São Petersburgo, a 16 de fevereiro de 2024. Direitos de autor AP Photo/Dmitri Lovetsky
De  Euronews, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Navalny foi detido em 2021 quando regressou à Rússia, vindo da Alemanha, onde tinha sido tratado devido a uma alegada tentativa de assassínio por veneno. A mãe do opositor de Putin exige o corpo do seu filho, depois de a morgue lhe ter dito que não está lá.

PUBLICIDADE

Não se sabe onde se encontra o corpo do líder da oposição russa Alexei Navalny, afirmou a sua equipa no sábado, depois de confirmar a sua morte. 

A equipa de Alexei Navalny acrescentou que o seu líder foi "assassinado" e exige que os seus restos mortais sejam entregues "imediatamente" à família.

A porta-voz de Navalny, Kira Yarmysh, publicou no antigo Twitter (X) que a mãe de Navalny tinha viajado para a colónia penal de "regime especial" acima do Círculo Polar do Ártico onde ele estava detido e recebeu uma mensagem oficial de que ele tinha morrido em 16 de fevereiro às 14h17, hora local.

Foi então informada de que o seu corpo tinha sido transferido pelos investigadores para Salekhard.

Mas quando ela e o seu advogado chegaram à morgue, esta estava fechada. "O advogado ligou para o número de telefone que estava na porta. Disseram-lhe que era a sétima pessoa a telefonar hoje. O corpo de Alexei não está na morgue", escreveu Yarmysh.

"Exigimos que o corpo de Alexey Navalny seja imediatamente entregue à sua família", escreveu ainda.

O Serviço Penitenciário Federal da Rússia informou que Navalny se sentiu mal depois de uma caminhada e ficou inconsciente na colónia penal da cidade de Kharp, na região de Yamalo-Nenets, cerca de 1.900 quilómetros a nordeste de Moscovo. Chegou uma ambulância, mas não foi possível reanimá-lo. A causa da morte ainda está a ser apurada.

Maria Pevchikh, chefe do conselho da Fundação Anticorrupção de Navalny, disse que o líder da oposição "viverá para sempre em milhões de corações".

"Navalny foi assassinado. Ainda não sabemos como vamos continuar a viver, mas juntos, vamos pensar em algo", escreveu no X.

As detenções continuaram no sábado, depois de mais de 100 pessoas terem sido detidas em várias cidades russas na sexta-feira, quando foram depositar flores em memória de Navalny em memoriais às vítimas das purgas da era soviética, de acordo com o OVD-Info, um grupo que monitoriza a repressão política na Rússia.

As homenagens foram retiradas durante a noite, mas as pessoas continuaram a chegar com flores no sábado. Em Moscovo, um grande grupo de pessoas gritou "vergonha" enquanto a polícia arrastava uma mulher que gritava, de acordo com um vídeo partilhado nas redes sociais.

Mais de 10 pessoas foram detidas num memorial em São Petersburgo, incluindo um padre que foi ali celebrar uma missa por Navalny.

Noutras cidades do país, a polícia isolou alguns dos memoriais e os agentes tiraram fotografias aos presentes e anotaram os seus dados pessoais, numa clara tentativa de intimidação.

Navalny estava preso desde janeiro de 2021, quando regressou a Moscovo para enfrentar uma prisão certa depois de recuperar na Alemanha do envenenamento por um agente nervoso que atribuiu ao Kremlin. Mais tarde, foi condenado três vezes, afirmando que cada caso era politicamente motivado, e recebeu uma sentença de 19 anos por extremismo.

Após o último veredito, Navalny disse que compreendia que estava "a cumprir uma pena de prisão perpétua, que é medida pela duração da minha vida ou pela duração da vida deste regime".

A notícia da morte de Navalny surge a menos de um mês das eleições que darão ao Presidente Vladimir Putin mais seis anos no poder.

Mostra "que a sentença na Rússia agora para a oposição não é apenas a prisão, mas a morte", disse Nigel Gould-Davies, ex-embaixador britânico na Bielorrússia e membro sénior da Rússia e Eurásia no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos em Londres.

Os líderes ocidentais responsabilizaram largamente o Kremlin e o Presidente Putin pela morte de Navalny, tendo o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, escrito no X que "a UE considera o regime russo (unicamente) responsável por esta morte trágica".

PUBLICIDADE

*em atualização

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia: Líderes das instituições da UE indignados com morte de Navalny

Diplomatas estrangeiros na Rússia prestam homenagem às vítimas do Crocus City Hall

Rússia detém homem do Quirguistão suspeito de estar envolvido no último ataque a Moscovo