Putin e chefe da agência atómica discutiram central de Zaporíjia em Sochi, na Rússia

Encontro entre Vladimir Putin, presidente russo, e Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, em Sochi, na Rússia.
Encontro entre Vladimir Putin, presidente russo, e Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, em Sochi, na Rússia. Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Diretor da Agência Internacional de Energia Atómica disse que teve uma "sessão de trabalho muito intensa e exaustiva" com funcionários russos, incluindo da agência estatal russa de energia nuclear. Grossi alerta que situação da central "continua a ser muito frágil".

PUBLICIDADE

O Diretor-Geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, encontrou-se esta quarta-feira com o Presidente russo, Vladimir Putin, na estância balnear de Sochi, no Mar Negro, para conversações sobre a segurança nuclear na Ucrânia.

O chefe da AIEA disse que teve uma "sessão de trabalho muito intensa e exaustiva" com funcionários russos, incluindo da agência estatal russa de energia nuclear Rosatom e dos ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Defesa. O último encontro de Grossi com Putin tinha sido em outubro de 2022.

Antes de se deslocar à Rússia, Grossi afirmou que considerava importante manter um diálogo com ambas as partes e acrescentou que a situação da central de Zaporíjia "continua a ser muito frágil".

O líder da AIEA disse ainda que esperava discutir em Moscovo "questões técnicas" relacionadas com "o futuro estatuto operacional da central", acrescentando que, se a central for reiniciada, será necessário discutir "o tipo de avaliação de segurança" e a  questão das linhas de fornecimento de energia externas.

A reunião acontece devido às preocupações com a central nuclear de Zaporíjia que ficou no meio do fogo cruzado desde que Moscovo enviou tropas para a Ucrânia, em 2022, e se apoderou das instalações pouco depois.

A Agência Internacional de Energia Atómica tem vindo a expressar repetidamente forte apreensão em relação à central de Zaporíjia, a maior da Europa, devido ao receio de uma potencial catástrofe nuclear.

Os seis reatores da central estão desligados há meses, mas o espaço continua a precisar de energia e de pessoal qualificado para operar sistemas de refrigeração cruciais e outros dispositivos de segurança.

Grossi visitou a Ucrânia em fevereiro e atravessou a linha da frente para visitar a central controlada pela Rússia. Na altura, reuniu-se também com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy.

Quase 5.200 trabalhadores deixaram a central de Zaporíjia desde que a Rússia assumiu o controlo em março de 2022, de acordo com Petro Kotin, Presidente Interino do Conselho de Administração da Energoatom. 

Kotin salientou esta terça-feira que, no início do ano, 360 funcionários ucranianos - sem contrato com a Rosatom - ainda trabalhavam na central, mas a partir de fevereiro já não podiam entrar nas instalações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agência de Energia Atómica tenta acalmar preocupação com descarga de água tratada de Fukushima

Agência Internacional de Energia Atómica já na estrada rumo a Zaporíjia

Agência de Energia Atómica quer entrar em Zaporijia