"EUA não vão deixar a Ucrânia fracassar", diz secretário de Estado da Defesa norte-americano

Zelenskyy agradeceu o envio de mais armamento e munições aos aliados da Ucrânia
Zelenskyy agradeceu o envio de mais armamento e munições aos aliados da Ucrânia Direitos de autor Armando Babani/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Lloyd Austin prometeu que os EUA vão estar ao lado de Kiev nos esforços para derrotar a Rússia. Apesar da falta de munições, a Ucrânia continua a contra-atacar.

PUBLICIDADE

O secretário de Estado da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, reiterou na terça-feira que os Estados Unidos "não vão deixar a Ucrânia fracassar", durante uma reunião com responsáveis da Defesa de todo o mundo, na Base Aérea de Ramstein, na Alemanha.

Numa visita à Alemanha, Lloyd Austin disse que os militares na Ucrânia continuam a "desgastar as capacidades do Kremlin". "A Ucrânia não vai recuar e os EUA também não", assegurou, ao lado do ministro da Defesa ucraniano, Rustem Umerov.

As declarações foram feitas numa altura em que o Congresso continua a atrasar a aprovação de ajuda financeira adicional à Ucrânia. Kiev espera ter munição suficiente a partir do próximo mês para defender sua linha de frente. 

Na terça-feira, a Alemanha anunciou uma nova parcela de ajuda de 500 milhões de euros para a Ucrânia. Já a Chéquia prepara-se para entregar milhares de projéteis de artilharia adquiridos a países terceiros, uma semana após ter posto em marcha o programa de aquisição conjunta de munições para a Ucrânia.

"Outros países estão a juntar-se à iniciativa. Obrigado a todos. [...] Estou grato a todos os países que estão genuinamente a trabalhar para dar a substância adequada a esta nossa prioridade. Também gostaria de agradecer à Alemanha hoje pelo pacote de defesa de 500 milhões de euros. Inclui artilharia e veículos blindados. Apreciamos muito a contribuição alemã para a proteção das vidas ucranianas e da nossa independência", agradeceu o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy.

Apesar da falta de munições e de as tropas ucranianas estarem a ser fortemente superadas pela Rússia no campo de batalha, a Ucrânia continua a contra-atacar.

A cidade russa de Engels na região de Saratov, no oeste do território russo, foi atacada por drones na madrugada de quarta-feira. Pelo menos quatro explosões foram ouvidas por testemunhas locais.

O Ministério da Defesa da Rússia e as autoridades locais alegaram que "cinco veículos aéreos ucranianos não tripulados foram destruídos por sistemas de defesa aérea nas regiões de Belgorod e Saratov".

Engels alberga a base aérea das Forças Aeroespaciais Russas "Engels-2", onde estão situados alguns bombardeiros estratégicos para lançamento de mísseis na Ucrânia. A base aérea já foi atacada várias vezes.

Mais cedo, destroços de um míssil ucraniano S-200 caíram no centro e em outras áreas de Kursk, junto à fronteira com a Ucrânia. Não há vítimas a reportar, afirmaram as autoridades russas.

Na terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, comentou os ataques de drones ucranianos na Rússia, durante uma conferência de imprensa com jornalistas internacionais. 

"O que quer que esteja a acontecer, é uma consequência direta da agressão ilegal e não provocada da Rússia contra a Ucrânia. Se Putin não lançasse a agressão, milhares de russos não seriam mortos na Ucrânia e nada estaria a acontecer na própria Rússia", sublinhou Kuleba.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Lloyd Austin compromete-se com mais ajuda à Ucrânia

Putin diz que Crimeia regressou a casa no 10.º aniversário da anexação da região

Putin admite trégua durante os Jogos Olímpicos