EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Primeiro-ministro israelita dissolve gabinete de guerra

Benjamin Netanyahu
Benjamin Netanyahu Direitos de autor Abir Sultan/Pool vía AP
Direitos de autor Abir Sultan/Pool vía AP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro israelita diz que gabinete de guerra deixou de ser necessário após a saída de Benny Gantz.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro israelita decidiu dissolver o gabinete de guerra, criado após o ataque de 7 de outubro do Hamas e que servia essencialmente para consultas sobre os temas mais sensíveis levantados pelo conflito na Faixa de Gaza.

A notícia está a ser avançada pela imprensa israelita, que precisa que a dissolução do gabinete de guerra foi anunciada por Benjamin Netanyhu durante uma reunião do gabinete de segurança política do Executivo.

"O gabinete foi um acordo de coligação com Gantz a seu pedido. Uma vez que Gantz saiu, já não há necessidade de o ter", disse Netanyahu, citado pelo The Jerusalem Post.

O primeiro-ministro israelita exclui assim a possibilidade de ser formado novo gabinete de guerra com a participação dos líderes dos partidos da coligação no poder, uma ideia avançada pelos ministros de extrema-direita Bezalel Smotrich e Itamar Ben Gvir que têm, respetivamente, as pastas das Finanças e da Segurança Nacional.

Espera-se agora, segundo a imprensa israelita, que Netanyahu tome decisões críticas sobre a guerra em reuniões agendadas quando necessário e sem Ben Gvir, procurando apenas a aprovação do gabinete de segurança.

Fórum para consultas em temas sensíveis

Para consultas em temas sensíveis, o primeiro-ministro israelita deverá formar um pequeno fórum para consultas que incluirá o ministro da Defesa, Yoav Gallant, o ministro dos Assuntos Estratégicos, ron Dermer, o líder do Conselho de Segurança Nacional de Israel, Tzachi Hanegbi, bem Aryeh Deri, do partido ultra-ortodoxo Sahas, que entrou como observador no gabinete de guerra agora dissolvido.

O Haaretz indica que a decisão de Netanyahu de dissolver o organismo é eminentemente simbólica e teve como objetivo impedir a inclusão de outros ministros da coligação.

Recorde-se que, há pouco mais de uma semana, Benny Gantz, membro centrista do gabinete de guerra de Israel, anunciou a demissão. A mudança não constituiu uma ameaça imediata para o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que ainda controla uma coligação maioritária no parlamento, mas tornou o líder israelita mais dependente dos seus aliados de extrema-direita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Netanyahu contra "pausas táticas" para permitir a entrada de ajuda em Gaza

Alto-representante do Programa Alimentar alerta para "catástrofe" sanitária no sul de Gaza

Espanha: Sánchez quer que a comunidade internacional "exerça mais pressão" sobre Israel