EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Volkswagen vai indemnizar concessionários nos Estados Unidos

Volkswagen vai indemnizar concessionários nos Estados Unidos
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, EFE, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Volkswagen chegou a acordo de princípio para indemnizar os 650 concessionários norte-americanos na sequência do escândalo de manipulação dos motores a gasóleo.

PUBLICIDADE

A Volkswagen chegou a acordo de princípio para indemnizar os 650 concessionários norte-americanos na sequência do escândalo de manipulação dos motores a gasóleo.

O fabricante automóvel alemão vai desembolsar mais mil milhões de euros (1,2 mil milhões de dólares) para compensar a perda de valor do negócio e os veículos que não podem ser vendidos.

Os concessionários norte-americanos estão impedidos de vender veículos diesel há quase um ano. Além disso as vendas afundaram 13,6% este ano.

A soma a pagar aos revendedores junta-se aos 13 mil milhões de euros que a Volkswagen acordou pagar para readquirir 480 mil carros equipados com motor de dois litros.

Devido a provisões financeiras para fazer face aos custos do escândalo, o grupo registou no ano passado os primeiros prejuízos em duas décadas.

Mas a fatura será ainda maior.

O Tribunal de São Francisco exige que o construtor alemão apresente, até 24 de outubro, uma proposta para reparar ou comprar 85 mil veículos diesel com motor de três litros.

Volkswagen may have to buy back 85,000 more cars in the US. #dieselgatehttps://t.co/llrZWqBwF9

— Thibault Laconde (@EnergieDevlpmt) 26 de agosto de 2016

Em setembro de 2015, a Volkswagen reconheceu que foram manipulados os motores de 11 milhões de veículos, para apresentarem emissões poluentes mais baixas.

Os acordos já obtidos nos Estados Unidos não impedem processos judiciais no país. Além disso, o grupo enfrenta inquéritos e queixas um pouco por todo o mundo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretora financeira da Huawei detida no Canadá

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing

Ryanair cancela mais voos a partir de novembro