Chipre quer reprimir evasão às sanções de oligarcas russos

O Presidente cipriota, Christodoulides, começou a contratar peritos para analisar possíveis alegações de evasão às sanções russas no país
O Presidente cipriota, Christodoulides, começou a contratar peritos para analisar possíveis alegações de evasão às sanções russas no país Direitos de autor Petros Karadjias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Greta RuffinoAP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente cipriota contactou um "país terceiro" não identificado para ajudar nas investigações sobre a alegada evasão de sanções contra a Rússia por parte de oligarcas.

PUBLICIDADE

O Presidente do Chipre revelou numa entrevista à Associated Press, na segunda-feira, que contactou pessoalmente um "país terceiro" para obter assistência na investigação das alegações de que os prestadores de serviços financeiros cipriotas ajudaram os oligarcas russos a fugir às sanções internacionais.

Nikos Christodoulides sublinhou o seu empenho em garantir que "absolutamente nenhuma sombra" se projete sobre Chipre, destacando o potencial impacto nos esforços do país para atrair investimento estrangeiro de qualidade.

O Presidente revelou que estão atualmente em curso várias investigações sobre alegadas evasões às sanções, embora não tenham sido fornecidos pormenores específicos.

A assistência solicitada foi aceite e uma equipa de peritos estrangeiros deverá colaborar com sete investigadores da polícia na análise de notícias antigas e recentes publicadas nos meios de comunicação social.

Estas notícias alegam que advogados e contabilistas sedeados em Chipre facilitaram a movimentação de fundos de oligarcas russos através de uma complexa rede de empresas e fundos fiduciários para contornar as sanções relacionadas com o conflito russo na Ucrânia.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação publicou vários artigos na semana passada, citando documentos que foram divulgados e que, alegadamente, revelam o envolvimento de empresas cipriotas na ajuda aos oligarcas russos para escapar às sanções.

Tolerância zero à corrupção

O Presidente Christodoulides sublinhou que os peritos estrangeiros não só ajudarão a melhorar o processo de investigação, como o tornarão mais rápido para demonstrar a "tolerância zero à corrupção" de Chipre.

Esta medida tem por objetivo reforçar a confiança dos cidadãos no sistema judicial e proteger a reputação do país.

Um aspeto fundamental da estratégia do Presidente para restaurar a imagem do país envolve a criação de uma Autoridade de Supervisão Única - um organismo independente de peritos em crimes financeiros encarregado de combater a má conduta financeira e a evasão às sanções.

Foi elaborado um projeto de lei para esta iniciativa, que deverá ser debatido e aprovado pelo Parlamento.

Atrair investimento privado

Para reforçar ainda mais a unidade de crimes financeiros da polícia, Christodoulides anunciou planos para contratar mais peritos com formação jurídica ou contabilística. O Presidente defendeu os esforços de Chipre para reformar o setor bancário desde a crise financeira de 2013, reconhecendo a necessidade de tempo para fazer do país uma oportunidade de investimento privilegiada. Manifestou a sua posição firme contra quaisquer alegações que manchem o nome de Chipre, sublinhando o impacto negativo na atração de investimento privado.

Apesar dos desafios, Christodoulides referiu que os países do Médio Oriente manifestaram interesse em investir em Chipre, nomeadamente nos setores da energia, dos serviços de saúde, da educação e das tecnologias da informação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Moldova combaterá oligarcas com ligação à Rússia para acelerar adesão à UE

Oligarca russo detido em França por branqueamento de capitais e violação de sanções internacionais

Mercedes-Benz recolhe 250 000 veículos devido a risco de incêndio