Ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas: qual é o impacto?

As refinarias de petróleo russas desempenham um papel crucial na economia do país e na sua presença energética a nível mundial
As refinarias de petróleo russas desempenham um papel crucial na economia do país e na sua presença energética a nível mundial Direitos de autor AP/Governor of Bryansk Region Alexander Bogomaz telegram channel AV BogomazZ
De  Aleksandar Djokic
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os ataques com drones às refinarias de petróleo russas e o seu impacto económico tornaram-se uma das campanhas ucranianas mais bem sucedidas.

PUBLICIDADE

O ano passado foi marcado por um otimismo generalizado em relação ao esforço de guerra ucraniano, mas este ano acontece exatamente o oposto, com um pessimismo sombrio a pairar sobre o panorama da informação. Há quem acredite que ambos os pontos de vista foram - e são - exagerados.

A julgar pela tendência atual da guerra, a Rússia pode ter ganho vantagem. Embora esta tendência geral possa ser invertida com o restabelecimento da ajuda dos EUA à Ucrânia, os ataques com drones às refinarias de petróleo russas e o seu impacto económico tornaram-se uma das campanhas ucranianas mais bem sucedidas.

À medida que a guerra na Ucrânia ultrapassa a marca dos dois anos, a intensidade do conflito armado entre Moscovo e Kiev não abranda. Enquanto a Rússia está a aumentar os bombardeamentos nas linhas da frente ucranianas e os ataques com mísseis à rede energética do país, a Ucrânia tem-se concentrado em ataques com drones às refinarias de petróleo russas e à sua frota do Mar Negro. Ambos têm impactos económicos distintos.

Ataques com drones contra a Rússia

De janeiro e até ao final de março, as forças armadas ucranianas lançaram 23 ataques contra refinarias de petróleo e instalações de armazenamento russas. Washington não tem apoiado os ataques, uma vez que vão contra a estratégia geral da administração Biden, segundo a qual a Ucrânia não deve levar a guerra para solo russo.

No entanto, como afirmou recentemente o Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy numa entrevista ao Washington Post: "A reação dos EUA não foi positiva... Utilizámos os nossos drones. Os EUA só podem limitar a utilização do armamento que forneceram à Ucrânia, explicou Zelenskyy, o que não é o caso na campanha contra as infra-estruturas petrolíferas russas.

Até à data, a Ucrânia colocou temporariamente fora de serviço 16% da produção russa de combustível para motores. A fábrica de Volgogrado, por exemplo, foi gravemente danificada e, segundo o Kommersant, a sua reparação poderá durar, aproximadamente, até ao início do verão. Outras não sofreram danos graves, como a refinaria de petróleo de Ilsky, que foi reparada em menos de um mês.

Refinarias de petróleo desempenham um papel crucial na economia russa

Estas greves vão provocar muitos danos e será extremamente difícil repor as refinarias em funcionamento. As refinarias dependem de tecnologia sofisticada e de muitos componentes importados".

As refinarias de petróleo russas desempenham um papel crucial na economia do país e na sua presença energética global. Estas refinarias transformam o petróleo bruto em vários produtos petrolíferos, incluindo gasolina, gasóleo e combustível para aviação, para satisfazer tanto o consumo interno como os mercados internacionais de exportação.

Sendo um dos maiores produtores de petróleo do mundo, a Rússia depende fortemente da sua capacidade de refinação para manter a sua posição no panorama energético mundial.

Os ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas perturbaram este setor vital, causando perdas imediatas de produção e danos nas infra-estruturas. Estes ataques não visam apenas as infra-estruturas económicas da Rússia, mas constituem também uma medida estratégica da Ucrânia para retaliar contra a agressão russa. Como resultado dos ataques, as refinarias russas estão a enfrentar desafios operacionais, levando a uma redução da produção e a perturbações na cadeia de abastecimento.

"Como a capacidade de importação russa de produtos petrolíferos refinados é limitada a curto prazo, uma vez que as refinarias estão preparadas para exportar, esta é uma forma bastante inteligente de causar perturbações no mercado russo com um impacto limitado a nível global", disse Aslak Berg, investigador do Centro para a Reforma Europeia, à Euronews.

Um homem pesca no gelo do Golfo da Finlândia, tendo como pano de fundo os tanques de armazenamento de petróleo de São Petersburgo
Um homem pesca no gelo do Golfo da Finlândia, tendo como pano de fundo os tanques de armazenamento de petróleo de São PetersburgoDmitri Lovetsky/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

De acordo com Berg, a estratégia da Ucrânia tem sido, até agora, atacar as refinarias de petróleo russas e não as instalações de produção de petróleo bruto ou as plataformas de exportação da Rússia.

"Os ucranianos têm atacado as refinarias e não as instalações russas de produção ou exportação de petróleo bruto. Isto causa problemas ao mercado interno russo de produtos refinados, mas para o resto do mundo, o declínio das exportações russas de produtos será compensado pelo aumento das exportações de petróleo bruto", explicou Berg.

Quando os funcionários dos EUA expressaram o seu desacordo com esta campanha ucraniana em particular, alguns analistas supuseram imediatamente que este ceticismo vindo de Washington está ligado ao receio de um potencial aumento dos preços da gasolina e do gasóleo nos EUA durante um ano eleitoral importante.

Devido à capacidade de refinação global ainda limitada, outras refinarias fora da Rússia podem estar limitadas a aumentar a sua capacidade de refinação e compensar as perturbações na Rússia", Giovanni Staunovo, analista de matérias-primas da UBS Global Wealth Management, disse à Euronews.

"Alguns participantes no mercado não fazem a distinção ou estão preocupados com o facto de os ataques de drones poderem também visar os terminais de exportação de crude num futuro próximo. Por isso, vemos também os preços do crude a reagir", disse Staunovo.

Dependendo do alcance da campanha de drones ucranianos, o impacto negativo que os ataques estão a ter na economia interna russa, que já reduziu as exportações de produtos petrolíferos refinados a partir de 1 de março para satisfazer a procura interna e evitar um cenário de subida dos preços da gasolina e do gasóleo, pode mudar e ter um impacto maior no mercado mundial.

Ucrânia tem de estar consciente dos custos potenciais para o mercado petrolífero mundial

Jens Nordvig, fundador e diretor executivo da Exante Data, explicou o potencial cenário à Euronews: "Se estes ataques se mantiverem e gerarem dificuldades de exportação de crude, seria lógico assumir que podemos ter um acréscimo de 5-10 nos preços globais do petróleo, tanto pelo efeito direto da oferta como pela incerteza adicional que se reflete nos prémios de risco, levando-nos até aos 90 no Brent".

PUBLICIDADE

A Ucrânia tem de encontrar um equilíbrio delicado entre o desejo de infligir o máximo de danos possível à economia russa e, ao mesmo tempo, planear os ataques de forma a ter o menor impacto possível no mercado mundial de petróleo refinado e bruto.

Ao mesmo tempo, Kiev tem de prestar atenção à forma como o mercado reage à sua campanha de ataques com drones, porque tem de ter em conta os interesses dos seus parceiros. Afinal de contas, a própria existência da Ucrânia depende das suas relações diplomáticas com os seus parceiros ocidentais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os drones iranianos podem ameaçar o petróleo europeu?

Onde é que na Europa existe maior desigualdade de riqueza?

Institutos alemães baixam para 0,1% perspetiva de crescimento do PIB deste ano