EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Museu do Holocausto vai abrir dentro do jogo de vídeo Fortnite

Uma personagem interage com uma exposição sobre a Kristallnacht
Uma personagem interage com uma exposição sobre a Kristallnacht Direitos de autor Chantal/Epic Games
Direitos de autor Chantal/Epic Games
De  Jonny Walfisz
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Jerusalém, Berlim, Varsóvia... Fortnite?

PUBLICIDADE

(Artigo traduzido)

A localização do mais recente Museu do Holocausto pode ser uma surpresa para quem não está familiarizado com um dos jogos de vídeo de maior sucesso da história.

Originalmente lançado como um jogo de luta online ao estilo battle royale, Fortnite, da Epic Games, tornou-se incrivelmente popular pelas suas capacidades de construção de mundos personalizáveis, semelhantes a jogos como Minecraft e Terraria.

Agora, a mais recente edição do jogo é um museu do Holocausto, desenvolvido pela própria Epic Games. O museu foi concebido por Luc Bernard, o homem por trás de "T_he Light in the Darkness_", considerado o primeiro jogo educativo sobre o Holocausto.

Educar sobre o Holocausto

"T_he Light in the Darkness_" foi lançado no início deste ano pela Epic Games. O jogo, disponível gratuitamente, dá aos jogadores a oportunidade de vestir a pele de uma família judia polaca que tenta - e não consegue - escapar aos horrores do Holocausto em França. 

"É frequente as pessoas chorarem no final", diz o diretor do jogo, Luc Bernard, à Euronews Culture.

Encontrar formas de melhorar a educação sobre o Holocausto é uma grande motivação para Bernard. Por isso, quando a Epic Games abriu o Fortnite Unreal Editor, a sua equipa concentrou-se num novo projeto: o "Fortnite Holocaust Museum".

"80% dos americanos nunca visitaram um museu", diz Bernard. Olhando para os enormes orçamentos dos museus do Holocausto, ele não podia questionar a eficácia dos museus presenciais como uma ferramenta educacional. "Muito bem, então vamos criar um museu digital num dos maiores jogos de vídeo que existe. É simples assim."

Após uma extensa pesquisa, Bernard e a sua equipa criaram uma exposição interativa de um museu no jogo Fortnite. 

O jogador percorre o museu e pode encontrar informações sobre uma série de temas relacionados com o Holocausto, incluindo alguns que, na opinião de Bernard, têm sido muitas vezes deixados de fora das exposições tradicionais.

Chantal/Epic Games
A player looks at an exhibitionChantal/Epic Games

Em vez de se concentrar exclusivamente nas experiências dos judeus Ashkenazi da Europa de Leste - embora continuem a estar no centro das atenções - há também peças que relatam histórias de judeus Sephardi no Norte de África. Há histórias sobre Abdol Hossein Sardari, o embaixador iraniano que emitiu milhares de passaportes a judeus que tentavam fugir de França. Outras exposições abordam a vida dos judeus LGBTQ+ e o batalhão de tanques dos Panteras Negras que libertou os judeus.

"Trata-se de criar um museu mais apelativo para um público mais jovem", explica Bernard.

A equipa de Bernard não é a primeira a considerar o espaço Fortnite propício a uma oportunidade educativa. Um evento de Martin Luther King Jr. deu aos jogadores a oportunidade de aprenderem sobre a história dos negros. Os criadores desse evento entraram em contacto com Bernard. 

"Estamos a tentar mostrar às organizações e aos museus que, em vez de nos concentrarmos numa cidade e esperarmos que os turistas passem por lá, podemos envolver todo o estado e todo o país. É possível envolver o mundo inteiro", diz Bernard.

Chantal/Epic Games
Learning about the Jews of TunisiaChantal/Epic Games

Melhorar a educação sobre o Holocausto é especialmente importante à medida que as últimas testemunhas sobreviventes vão morrendo. Explicar os horrores à geração seguinte continua a ser crucial. No entanto, há uma preocupação crescente com o facto de muitos jogadores mais jovens estarem frequentemente em ambientes que efetivamente toleram a negação do Holocausto.

Luta contra o antissemitismo

Uma investigação da Liga Anti-Difamação (ADL) sobre o antissemitismo na internet revelou que muitos negacionistas do Holocausto estão a utilizar as plataformas dos meios de comunicação social e as comunidades de jogos online para espalhar as suas conspirações. Embora muitos jogos tenham sido implicados no estudo, o Fortnite foi particularmente destacado pela ADL.

Bernard tem defendido continuamente a Epic Games e o Fortnite das alegações. Para garantir que as pessoas se comportam corretamente no próximo museu, Bernard e a Epic desactivaram os emotes e as capacidades de destruição de paredes.

Embora haja certamente uma preocupação de moderação nos nomes de utilizador, Bernard é enfático quanto ao apoio que a Epic Games lhe deu para criar os seus jogos educativos.

PUBLICIDADE

"As pessoas da ADL são fantásticas", afirma. "Mas acho que a Epic é uma das melhores empresas para se trabalhar na indústria de jogos e eles tratam o ódio com muita seriedade."

O Museu do Holocausto de Fortnite ainda não tem data de lançamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Roubo "altamente incomum" no British Museum de Londres

Françoise Hardy, atriz e ícone da pop francesa, morre aos 80 anos

Retrato do rei Carlos III alvo de ativistas dos direitos dos animais