EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Festival Visa Pour L'Image contempla o futuro do fotojornalismo

"Paths of Desperate Hope", de Federico Rios Escobar, vencedor do Prémio Visa d'Or 2023, mostra a realidade brutal dos migrantes sul-americanos que tentam chegar aos EUA.
"Paths of Desperate Hope", de Federico Rios Escobar, vencedor do Prémio Visa d'Or 2023, mostra a realidade brutal dos migrantes sul-americanos que tentam chegar aos EUA. Direitos de autor © Federico Rios Escobar Winner of the 2023 Humanitarian Visa d’or Award - International Committee of the Red Cross (ICRC)
Direitos de autor © Federico Rios Escobar Winner of the 2023 Humanitarian Visa d’or Award - International Committee of the Red Cross (ICRC)
De  Anca Ulea
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Festival Internacional de Fotojornalismo Visa Pour L'Image está a decorrer na cidade de Perpignan, no sul de França, até 17 de setembro, com 24 exposições de fotografia.

PUBLICIDADE

No cartaz oficial da 35ª edição do Festival Internacional de Fotojornalismo Visa Pour L'Image está uma fotografia tirada por um fotógrafo anónimo.

Mostra uma mulher iraniana em cima de um carro, com os seus longos cabelos castanhos à mostra, com as mãos para cima num símbolo de vitória, enquanto milhares de pessoas se dirigem a pé para o cemitério de Aichi, no Irão, onde Mahsa Amini está enterrada.

Visa Pour L'Image
O poster oficial da edição de 2023 do festival de fotojornalismo Visa Pour L'ImageVisa Pour L'Image

A fotografia é representativa da revolta pública sem precedentes que se seguiu à morte de Mahsa Amini, a 16 de setembro de 2022, às mãos da polícia da moralidade iraniana e à repressão governamental que levou à detenção de dezenas de milhares de manifestantes.

É também um símbolo da tarefa impossível de cobrir a história em imagens, uma vez que o governo iraniano recusou vistos a repórteres estrangeiros e os jornalistas locais foram detidos e acusados de espionagem.

Embora a repressão do Irão sobre os jornalistas signifique que há pouca documentação fotográfica oficial do início da revolta, o diretor do Visa Pour L'Image disse que isso não era desculpa para não cobrir a história no festival.

"Se tivéssemos esperado pelo trabalho dos fotojornalistas, não teríamos tido uma exposição sobre o Irão este ano", disse Jean-François Leroy ao Euronews Culture. "A escolha foi feita por mim, porque considero estes acontecimentos muito importantes e porque não havia outra forma de o fazer. Não conheço um único fotojornalista profissional que tenha conseguido cobrir estes acontecimentos no Irão".

A exposição resultante, intitulada "Rebellion in Iran: You Don't Die" (Rebelião no Irão: Tu não morres), é uma visão rara no principal festival de fotojornalismo do mundo - contém mais fotografias amadoras do que profissionais, muitas delas capturas de ecrã pixelizadas de vídeos tremidos de telemóveis filmados por cidadãos locais.

Um dos vídeos apresentados na exposição é o vídeo viral de raparigas iranianas a dançar ao som de "Calm Down" de Selena Gomez.

Imagens angustiantes

Uma das salas é dedicada a uma projeção de vídeo que mostra os principais momentos da revolta captados por iranianos, alguns dos quais foram incluídos na longa reportagem do jornal diário francês Le Monde, em fevereiro deste ano. Os visitantes saem frequentemente da sala com um suspiro pesado, pois a intensidade das imagens em bruto é bastante forte para muitos deles.

"Não consegui ver tudo", diz Delphine Dumanois, que apanhou um autocarro noturno da Alemanha para chegar ao festival. "Era demasiado emotivo. Mas este tipo de imagens são necessárias, ajudam-nos a acordar do sono da nossa vida quotidiana".

Foi a segunda vez que participou no festival de fotojornalismo, que se realiza todos os anos na cidade de Perpignan, no sudoeste de França, disse à Euronews Culture.

Irão: Soluções criativas para a redução da liberdade de imprensa

A exposição sobre o Irão foi organizada por uma equipa de editores de fotografia e jornalistas do Le Monde, no âmbito da sua cobertura contínua da revolta iraniana. É um testemunho da tenacidade da equipa do jornal, da resistência implacável do povo iraniano e da profunda determinação em contar uma história que as autoridades queriam enterrar.

Dos fotógrafos profissionais que contribuíram para a exposição, muitos preferiram manter o anonimato por receio de serem presos. Alguns usaram um pseudónimo para proteger a sua identidade.

Anonymous photographer via Visa Pour l'Image
Esta fotografia pixelizada é uma das muitas fotos amadoras apresentadas na exposição "Iran Rebellion: You Don't Die" no Visa Pour L'ImageAnonymous photographer via Visa Pour l'Image

"Deixámos a escolha aos fotógrafos", disse Marie Sumalla, editora de fotografia do Le Monde, à Euronews Culture. "Mas a maioria das pessoas que nos enviaram as fotos mais recentes, que têm estado a cobrir a história há muito tempo, pediram para usar os seus nomes verdadeiros. Acho isso muito bonito".

Sumalla trabalhou em estreita colaboração com Ghazal Golshini, especialista sobre o Irão do Le Monde, e com outros jornalistas iranianos na Europa para verificar e selecionar as imagens e fotografias amadoras, primeiro para a cobertura regular do jornal e depois para a exposição.

PUBLICIDADE

Devido à repressão generalizada no país, Sumalla disse que havia a sensação de que estas imagens estavam a desaparecer. Alguns dos fotógrafos que contribuíram para a exposição disseram-lhe que nem sequer guardaram os ficheiros originais nos seus discos rígidos, com medo de serem presos.

"Estávamos um pouco perturbados pelo facto de tudo o que estávamos a fazer ser apenas temporário"., afirmou. "O que publicámos no site do Le Monde permanecerá, a exposição ficará patente durante duas semanas, mas queríamos escrever este momento com tinta. Porque, quer queiramos quer não, este momento é histórico, esta revolta não tem precedentes".

Anca Ulea
A editora de fotografia do Le Monde, Marie Sumalla, segura o pequeno livro de fotos chamado "You Don't Die", que apresenta fotos da revolta iraniana de 2022-2023Anca Ulea

A solução encontrada foi publicar um pequeno livro de fotografias de bolso, reunindo todas as imagens diferentes que publicaram desde o início da revolta. O título é "You Don't Die" (Tu não morres), inspirado no epíteto que o tio de Amini escreveu na sua lápide: "Querida Jina (nome curdo de Amini), tu não morres. O teu nome tornar-se-á um símbolo".

"Queríamos um formato pequeno que pudesse chegar ao maior número de pessoas", disse Sumalla. "Antigamente, antes das redes sociais, este género de livros pequenos era publicado, nomeadamente na Argélia, para passar informações discretamente de uma pessoa para a outra. O livro cabia no bolso, pelo que as mensagens podiam ser transmitidas em silêncio".

PUBLICIDADE

Trazer o mundo para Perpignan

O silêncio é um dos aspetos mais marcantes do Visa Pour L'Image. Houve pouca conversa enquanto os visitantes percorriam os corredores do Couvent Des Minimes, um convento do século XVI, que serve de principal espaço de exposição do festival.

As pessoas vêm de todo o lado para ver as exposições - 24 no total este ano - que mergulham profundamente em algumas das notícias mais prementes a nível mundial, desde a guerra na Ucrânia e a ascensão da extrema-direita nos Estados Unidos à erosão dos direitos humanos no Afeganistão e aos efeitos devastadores das alterações climáticas.

"Vir aqui dá-me uma nova visão e perspetiva sobre as histórias que vejo nas notícias", disse Claudia, uma jornalista de 29 anos que veio de carro de Girona, Espanha, para o festival. "É uma oportunidade para recordar coisas que posso ter esquecido e descobrir novos lugares e culturas que não sabia que existiam."

© Natalya Saprunova / Zeppelin Winner of the 2022 Canon Female Photojournalist Grant
"The Evenki People, custodians of the resources of Yakutia," uma exposição da fotógrafa documental Natalya Saprunova sobre o povo indígena Evenki da Rússia© Natalya Saprunova / Zeppelin Winner of the 2022 Canon Female Photojournalist Grant

"É preciso ir absorvendo pouco a pouco", disse Daniel, de 82 anos, de Bordéus. "O que é que eu retiro daqui? O mundo é triste. Mas é importante mantermo-nos informados sobre as coisas que os principais meios de comunicação social nem sempre cobrem."

PUBLICIDADE

Apesar de os fotógrafos amadores terem um lugar de destaque na exposição sobre o Irão, o diretor do festival, Leroy, insiste que o trabalho dos fotojornalistas profissionais continua a ser primordial para comunicar o que realmente se passa no mundo.

"É claro que qualquer pessoa pode tirar fotografias, mas ainda há muito poucos fotógrafos por aí", afirmou. "Para mim, um fotojornalista parte, sabe o que quer fazer, tem uma ideia da história que quer contar. Entretanto, alguém com um smartphone pode tirar uma fotografia acidentalmente ou não, mas não está a contar uma história. É apenas uma série de momentos captados pela câmara".

Mark Peterson/Redux Pictures
A exposição "The Past is Never Dead" de Mark Peterson é sobre a ascensão da extrema-direita nos Estados UnidosMark Peterson/Redux Pictures

Leroy é o fundador do Visa Pour L'Image e tem liderado as operações nos últimos 34 anos, mantendo-o como um dos principais eventos de fotojornalismo do ano.

"Há 15 ou 20 anos, um fotógrafo disse-me que devia ter cuidado, porque os fotógrafos de hoje trabalham para a World Press Photo e para Perpignan", afirmou.

PUBLICIDADE

Essa influência traz consigo uma grande responsabilidade. Leroy diz que faz questão de não encorajar os fotógrafos, especialmente os mais jovens, a correr riscos desnecessários para chocar.

"Quando vejo todos os jovens jornalistas que foram para a Ucrânia sem seguro, sem o apoio de uma revista ou de um jornal, penso que é estúpido correr tantos riscos. Se tivermos uma boa história, não precisamos de correr riscos".

Leroy disse que recebeu 250 propostas de exposições da Ucrânia este ano. Recusou-se a analisar qualquer uma delas em que o fotojornalista estivesse a trabalhar sem seguro.

©Tyler Hicks/ The New York Times vis Visa Pour L'Image
O fotojornalista do New York Times, Tyler Hicks, analisa em profundidade a cidade ucraniana de Bakhmut, devastada pela guerra, que se recusou a cair nas mãos dos russos©Tyler Hicks/ The New York Times vis Visa Pour L'Image

Leroy admite que o fotojornalismo está atualmente em crise, com os jornais e revistas a produzirem e a pagarem menos, e com as preocupações sobre o potencial impacto da inteligência artificial (IA). Esta última, no entanto, não é um problema, segundo ele.

PUBLICIDADE

"Não estou preocupado com esta questão da inteligência artificial, porque - e não me canso de o dizer - há muitos de nós que defendem a verdade representada pelo fotojornalismo e não vamos ceder à IA sem dar luta".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

The Cube: A Ucrânia envia menores para a linha da frente?

Cantor norte-americano Bruce Springsteen é oficialmente bilionário

Celebridades reagem à desistência de Joe Biden da corrida presidencial dos EUA