EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Itália perde o título de maior produtor mundial de vinho devido às condições climatéricas e ao míldio

A quebra deve-se ao efeito combinado de más condições climatéricas e aos danos causados por um fungo chamado plasmopara viticola.
A quebra deve-se ao efeito combinado de más condições climatéricas e aos danos causados por um fungo chamado plasmopara viticola. Direitos de autor Andrea Cairone
Direitos de autor Andrea Cairone
De  Rebecca Ann Hughes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As condições climatéricas extremas e as doenças fúngicas devastaram as vinhas, fazendo com que a produção fique abaixo dos 44 milhões de hectolitros em 2023.

PUBLICIDADE

A Itália perdeu a sua querida coroa de maior produtor de vinho do mundo.

Este ano tem sido um desafio para os produtores de vinho em Itália, fazendo com que a produção caia 12% em relação a 2022.

As condições climatéricas extremas e as doenças fúngicas devastaram as vinhas, fazendo com que a produção descesse para menos de 44 milhões de hectolitros em 2023. Os produtores de vinho esperam a colheitamais pequena dos últimos seis anos.

A situação é ligeiramente melhor nas regiões do norte de Itália, incluindo o Piemonte, que registou um pequeno aumento de 0,8% na produção, de acordo com os lobbies italianos do vinho UIV e Assoenologi, uma associação de especialistas em vinho.

Mesmo assim, a queda global significa que a França vai recuperar o primeiro lugar pela primeira vez em nove anos.

A queda do vinho em Itália em 2023

A produção deverá registar uma quebra de 20% nas regiões do centro de Itália e de cerca de 30% nas regiões do sul, como a Sicília e Basilicata, de acordo com os dados das previsões de colheita.

A quebra deve-se ao efeito combinado do mau tempo e dos danos causados por um fungo chamado plasmopara viticola.

Este fungo é responsável por uma das doenças mais devastadoras da videira e é também conhecido por míldio da videira.

Andrea Cairone
Os viticultores italianos esperam a menor colheita em seis anos.Andrea Cairone

Em condições quentes e húmidas, o crescimento de fungos brancos espalha-se pelas folhas e pelos frutos, provocando frequentemente a morte de partes da planta.

Este ano, a doença afetou particularmente as regiões do centro e do sul de Itália, devido ao aumento da precipitação.

"A colheita que estamos a enfrentar é muito complexa, caraterizada sobretudo pelos efeitos das alterações climáticas que, no final da primavera e início do verão, provocaram doenças patogénicas como o míldio, inundações, granizo e seca", afirmou Riccardo Cotarella, diretor da Assoenologi, em comunicado.

A queda da produção não afetará a qualidade do vinho, acrescentou Cotarella: "A partir da colheita de 2023, obteremos certamente vinhos de boa qualidade, com picos de excelência".

França luta contra a sobreprodução

A França assumiu o primeiro lugar como maior produtor de vinho do mundo, mas não foi necessariamente uma vitória para os viticultores.

Devido a uma tripla série de problemas - a crise do custo de vida, as mudanças nos hábitos de consumo e a ressaca da COVID - o país registou uma queda na procura de vinho.

O governo francês anunciou recentemente a afetação de 200 milhões de euros ao escoamento dos excedentes de produção de vinho, numa tentativa de apoiar os viticultores em dificuldades financeiras.

O dinheiro "destina-se a travar a queda dos preços e a permitir que os viticultores voltem a encontrar fontes de rendimento", declarou o Ministro da Agricultura, Marc Fesneau, aos jornalistas em agosto.

O ministro sublinhou, no entanto, que o setor também precisa de "olhar para o futuro, pensar nas mudanças dos consumidores e adaptar-se".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pós-Brexit: bebidas com baixo ou nenhum teor alcoólico serão vendidas como "vinho" no Reino Unido

Produção mundial de vinho cai 7% em 2023

'Chefs' premiados vão servir refeições gourmet nos Jogos Olímpicos de Paris