EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Porque é tão difícil dizer adeus?

Biden, Ronaldo e Murray
Biden, Ronaldo e Murray Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Garfield Myrie
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

À medida que aumenta a pressão sobre o Presidente dos EUA, Joe Biden, o ícone do futebol Cristiano Ronaldo e o cavaleiro britânico do ténis Sir Andy Murray para se afastarem ou abandonarem o topo, Garfield Myrie analisa porque é tão difícil dizer adeus.

PUBLICIDADE

Na terça-feira à noite, fiquei dividido entre a frustração e a tristeza ao ver Cristiano Ronaldo executar livres atrás de livres sem sucesso durante o jogo de Portugal contra a Eslovénia para o Campeonato da Europa 2024.

À medida que os remates iam passando por cima da barra, contra o guarda-redes, contra a multidão, um pouco do seu brilho ia desaparecendo e uma pequena parte de mim morria silenciosamente.

Não me interpretem mal, eu adoro o Ronaldo. Vi-o transformar-se no homem principal do Manchester United e fiquei maravilhado com o facto de ter dominado o futebol mundial no Real Madrid - que jogador!!!

Mas na noite de terça-feira, no Deutsche Bank Park do Eintracht Frankfurt, as suas fragilidades humanas estavam à vista de todos. A notícia de que este Euro será o seu último será um alívio para os seus fãs em todo o mundo.

Cristiano Ronaldo
Cristiano RonaldoMichael Probst/AP

A mente está disposta, mas a carne é fraca

Na política, uma narrativa semelhante está a ser escrita sobre o Presidente dos EUA, Joe Biden.

O homem de 81 anos teve de lidar com questões sobre a sua idade e capacidade mesmo antes de entrar na Sala Oval. Lembram-se de Donald Trump, que tem 78 anos, lhe ter chamado "Sleepy Joe" durante a campanha para as eleições presidenciais de 2020?

Nos anos que se seguiram, e sobretudo nos últimos meses, a sua capacidade para desempenhar com competência o cargo de Presidente dos Estados Unidos foi posta em causa.

O recente debate televisivo com Donald Trump foi a sua oportunidade para provar que os céticos estavam errados e encerrar os debates sobre a sua aptidão para liderar, mas apenas confirmou os piores receios de muitos.

No entanto, Joe prometeu continuar a lutar.

Joe Biden está a ser cada vez mais pressionado para abandonar a corrida presidencial dos EUA
Joe Biden está a ser cada vez mais pressionado para abandonar a corrida presidencial dos EUAJacquelyn Martin/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

Guerreiro com coração valente

O torneio de ténis de Wimbledon está a decorrer, assim como a festa anual de stress sobre a condição física de Andy Murray. Wimbledon não seria Wimbledon sem chuva, morangos e um susto com a forma física de Andy Murray.

Já se retirou dos singulares, mas vai competir nos pares com o seu irmão Jamie e com a jovem estrela britânica Emma Raducanu nos pares mistos, num outro esforço para satisfazer a sua legião de apoiantes. Promete ser uma despedida e peras para SW17, antes de ir para o seu outro feliz terreno de caça, os Jogos Olímpicos, com Paris a ser muito provavelmente o seu último torneio. Quantas vezes é que isto já foi escrito?

Mas por que é que estes homens não percebem a dica e se demitem, ou pelo menos se afastam com a sua reputação e legado intatos? Será que é coisa de homem? Haverá algo na psique masculina que os impede de se afastarem do poder e da adulação?

Andy Murray
Andy MurrayKirsty Wigglesworth/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

As irmãs estão a fazê-lo

Em 2017, Jacinda Ardern, de 37 anos, chocou o mundo quando se tornou a mais jovem mulher chefe de Estado do planeta, como primeira-ministra da Nova Zelândia. Cinco anos e meio depois, voltou a chocar o mundo quando abandonou o cargo.

Depois de liderar a resposta do seu país à pandemia de COVID e de ajudar a nação a recuperar após um ataque terrorista em 2019, decidiu que já era suficiente e desapareceu metaforicamente ao pôr do sol.

Jacinda Ardern abandonou a política à sua maneira
Jacinda Ardern abandonou a política à sua maneiraAP Photo

A antiga primeira-ministra finlandesa Sanna Marin ocupou o cargo mais importante do seu país durante quatro anos, de 2019 a 2023. Quando perdeu as eleições de 2023, aceitou a dica e despediu-se da política partidária.

PUBLICIDADE

Mas há exemplos de homens de alto nível que se afastaram enquanto estavam no topo, por isso não pode ser assim, pois não?

O piloto alemão de Fórmula 1 (F1) Nico Rosberg competiu no desporto durante uma década, de 2006 a 2016. Cinco dias depois de ter conquistado o título em 2016, anunciou a sua retirada.

Jurgen Klopp deixou o Liverpool em maio dizendo que já não tinha a energia necessária
Jurgen Klopp deixou o Liverpool em maio dizendo que já não tinha a energia necessáriaAP Photo

Pep Guardiola, treinador do Manchester City, e Jurgen Klopp, antigo treinador do Liverpool, fizeram ambos uma pausa nos seus empregos de alta pressão quando estavam no topo da pirâmide do futebol europeu.

Klopp está a desfrutar da vida na sua Villa espanhola, enquanto Guardiola deverá abandonar o comando do Manchester City no final da próxima época - para eles, o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal é mais importante do que a aclamação, pelo menos por enquanto.

PUBLICIDADE

Espírito de luta

Então, o que é que Biden, Ronaldo, Murray e outros têm em comum que os impede de ler os sinais e de se retirarem, ou de se demitirem?

A resposta pode estar mesmo à nossa frente - o espírito de luta obstinado que os levou ao topo em primeiro lugar.

Biden trabalhou toda a sua vida política à margem do poder supremo. Sempre quis o lugar de topo e agora que é dele, não se vai afastar até estar pronto, ou até ser forçado a sair.

Podem surgir apelos para que se vá embora - até mesmo alguns do seu próprio partido, mas se ele fosse o tipo de pessoa que cede sob pressão, nunca teria chegado à Casa Branca.

PUBLICIDADE

Ronaldo é famoso por treinar mais tempo do que a maioria. A sua dieta é perfeita, a sua preparação é perfeita, a sua execução é, bem, nos seus últimos anos a nível internacional tem sido mais o erro do que acerto. Mas ninguém pode negar que ele trabalhou arduamente para chegar ao topo e o esforço que faz para lá permanecer.

Murray joga ténis de alto nível com uma anca de metal. Isso diz-nos tudo o que precisamos de saber sobre a sua constituição psicológica.

Contudo, não devem ser descartados

Estes três lutadores ainda não sofreram o golpe de misericórdia, por isso ainda há esperança. Biden pode derrotar Trump e manter o poder, a equipa portuguesa de Ronaldo pode vencer a França nos quartos de final do Euro, na sexta-feira, 5 de julho, e passar aos quartos de final, enquanto Murray pode conseguir o duplo adeus perfeito ao vencer Wimbledon ao lado do irmão e de Raducanu.

E talvez seja esse o objetivo. Se não se está na corrida, não se pode ganhá-la. Talvez seja egoísta da parte deles continuar a jogar até serem obrigados a sair ou até o seu legado ficar manchado, mas eles sabem que quando a cortina final se fecha, é o fim.

PUBLICIDADE

As lágrimas de Ronaldo quando falhou um penalty durante o jogo com a Eslovénia são uma indicação salgada do quanto a vitória ainda significa para ele.

O sucesso é inebriante e estes três claramente ainda não se fartaram. Quem sabe, talvez ainda tenham mais uma vitória para provar que os céticos, como eu, estão errados.

Outras fontes • AP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ninguém me está a empurrar para fora": Biden promete continuar a concorrer

O homem mais velho do mundo é britânico e tem 111 anos. O seu segredo? Peixe e batatas fritas

Latino-americanos ricos estão a transformar Madrid numa "nova Miami"