EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cultivo de morangos em Espanha perto de zonas húmidas frágeis gera controvérsia sobre a água

Dried strawberry plants are pictured near the Donana National Park, in Almonte, Spain 25 April 2023.
Dried strawberry plants are pictured near the Donana National Park, in Almonte, Spain 25 April 2023. Direitos de autor REUTERS/Marcelo del Pozo/File Photo
Direitos de autor REUTERS/Marcelo del Pozo/File Photo
De  Angela Symons com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em março, o governo regional aprovou um projeto de lei que legaliza a ocupação informal de terras para o cultivo intensivo de morangos de regadio.

PUBLICIDADE

O cultivo de morangos perto das frágeis zonas húmidas de Doñana, em Espanha, está a causar uma grande controvérsia. Um projeto de lei recente legalizou a ocupação informal de terras por produtores de morangos, mas os cientistas ambientais alertam para o facto de esta medida poder devastar uma área de conservação próxima.

No início deste mês, uma campanha de consumidores alemães pediu aos supermercados para boicotarem as bagas cultivadas perto das zonas húmidas. A seca prolongada e a irrigação ilegal secaram o refúgio da vida selvagem no sudoeste do país. Os cientistas dizem que as necessidades de água dos produtores de bagas estão a agravar o problema. Até quinta-feira, a petição tinha sido assinada por 150.000 pessoas.

A associação espanhola de produtores de morangos, Interfresa, classificou o projeto como "insidioso e prejudicial para a indústria do morango e dos frutos vermelhos".

O que está a acontecer no parque nacional de Doñana?

O Parque Nacional de Doñana está situado no topo de uma reserva de água subterrânea com 2 700 quilómetros quadrados, uma das maiores do seu género na Europa e uma área quase duas vezes maior do que a de Londres.

À medida que Espanha sofre com a seca e o calor fora de época, as lagoas e a biodiversidade do parque estão a esgotar-se. Este ano, o páis registou o mês de abril mais seco e mais quente desde que há registos e muitas zonas registaram também um mês de maio com um calor recorde. Grandes zonas do país estão sob alerta de seca e algumas enfrentam uma situação de emergência em termos de disponibilidade de água.

A legalização do cultivo de morangos irá "devastar" as zonas húmidas de Donana

Desde a década de 1960, as zonas húmidas também têm sido ameaçadas pela agricultura intensiva na área circundante, uma vez que as estufas e as condutas retiram água, em alguns casos, de poços perfurados ilegalmente.

Esta situação conduz a uma "profunda escassez e poluição das águas superficiais, à sobre-exploração das águas subterrâneas, ao sobrepastoreio e a incêndios florestais recorrentes", escreveram os cientistas Luis Santamaría e Julia Martin-Ortega num artigo publicado na revista Nature Water.

As massas de água permanentes na área de conservação estão a diminuir e a vegetação dos pântanos está a deteriorar-se. "Este padrão de degradação incessante está a atingir um ponto de não retorno", acrescentam os cientistas.

Em março, o governo regional aprovou uma lei que legaliza a ocupação informal de terras para o cultivo intensivo de morangos de regadio. Poucas semanas depois, publicou um estudo de impacto ambiental positivo para um grande empreendimento habitacional e um campo de golfe que iria esgotar ainda mais a água de Doñana.

Cientistas, conservacionistas e o governo nacional de Espanha criticaram fortemente o projeto de lei agrícola. "Não só não facilita as medidas urgentes necessárias para reverter a situação, como, em conjunto com outras políticas erradas, compromete os esforços passados e atuais para garantir a sobrevivência de Doñana a longo prazo", escreveram Santamaría e Martin-Ortega.

Porque é que os ativistas alemães apelam a um boicote aos morangos espanhóis?

O cultivo de morangos, que consome muita água, também deu origem a uma campanha na Alemanha. A campanha chama a atenção para o enorme volume de morangos espanhóis vendidos no país e apela ao Edeka, ao Lidl e a outros supermercados para que deixem de vender bagas importadas cultivadas perto do santuário de vida selvagem em perigo.

A província de Huelva, onde se situa o parque, produz 98% dos frutos vermelhos de Espanha e 30% dos frutos vermelhos da União Europeia. É o maior exportador de morangos do mundo.

A petição surge no momento em que o partido espanhol de oposição de direita obteve vitórias nas eleições regionais, incluindo na Andaluzia, durante o fim de semana. O Partido Popular está a planear uma amnistia que legalizaria a irrigação adicional em torno de Donana, apesar dos protestos dos ambientalistas.

A redução da quantidade de água extraída é uma das principais soluções para salvar a zona húmida, segundo os cientistas.

Produtores de morangos negam utilização de irrigação ilegal

A Interfresa nega que os agricultores estejam a utilizar água de fontes ilegais no parque nacional, ou que estejam a ser bombeadas grandes quantidades de água, como afirma a petição. Acrescenta que utiliza técnicas de ponta para garantir uma utilização eficiente da água.

Segundo a petição, as explorações mais próximas de Doñana estão a 35 km e a grande maioria das empresas do setor dos frutos silvestres está a 100 km ou mais da zona. Isto significa que apenas uma pequena parte das explorações agrícolas utilizaria o sistema de irrigação que será legalizado se a lei for aprovada.

No mês passado, 26 pessoas foram detidas por terem explorado poços ilegais para o cultivo de frutos tropicais na zona de Axarquia, na Andaluzia, 260 km a leste de Doñana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países europeus elaboram planos face a seca prolongada

Produtores de maçãs afetados pela seca que Portugal enfrenta

Secas graves "podem ser a norma" na UE até 2050