EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

No interior da fábrica que produz os comboios eléctricos "tri-híbridos" que poderão revolucionar os transportes na Europa

O comboio Masaccio "Blues" na fábrica em Pistoia, Itália.
O comboio Masaccio "Blues" na fábrica em Pistoia, Itália. Direitos de autor Hannah Brown / Euronews Green
Direitos de autor Hannah Brown / Euronews Green
De  Hannah Brown
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Euronews Green visitou a fábrica de comboios pioneira da Hitachi em Pistoia, Itália.

PUBLICIDADE

Optar por transportes públicos em vez de veículos particulares é um grande passo para reduzir as nossas emissões poluentes e melhorar a qualidade do ar.

Mas mesmo que mil pessoas que andam de comboio em vez de conduzirem mil carros sejam melhores para o ambiente, um motor a gasóleo nunca é bom para o planeta - independentemente do motor que está a alimentar.

Os recentes investimentos em infraestruturas podem levá-lo a pensar: “os nossos caminhos-de-ferro não estão eletrificados? Já não precisamos de utilizar comboios a gasóleo.”

Mas, na realidade, só cerca de 60% das linhas europeias foram atualizadas até agora.

"Em Itália, por exemplo, este valor é de aproximadamente 70%, em algumas áreas como a Alemanha e a França, estamos a cerca de 50%", explica o CEO da Hitachi Rail Itália, Luca D'Aquila.

"Mas há um grande trabalho a fazer no Reino Unido, onde o número de eletrificações é de aproximadamente 38%.”

Só em Itália, isso equivale a cerca de 4 mil quilómetros de vias não eletrificadas. A modernização de todos os caminhos-de-ferro da Europa poderia demorar décadas e os custos seriam enormes. É pouco provável que algumas pequenas linhas regionais venham a receber esse tipo de investimento.

Para ajudar a reduzir as emissões utilizando a infraestrutura limitada da Europa, a Hitachi Rail desenvolveu o comboio tri-híbrido Masaccio. A Euronews Green foi à fábrica em Pistoia, Itália, para saber mais.

O que é um comboio tri-híbrido?

O Masaccio da Hitachi é um comboio de passageiros que acaba de entrar ao serviço em Itália. É o tipo de comboio que muitas pessoas utilizam diariamente para se deslocarem para as cidades.

Pode ser alimentado de três formas: através de linhas elétricas aéreas, através de um motor híbrido a diesel ou através de uma bateria.

A bateria revolucionária pode ser carregada quando o comboio está a funcionar com eletricidade proveniente das linhas aéreas. Também pode aproveitar a energia da travagem do comboio para a carregar.

"Toda a energia durante a travagem é [normalmente] desperdiçada nas resistências de travagem, sendo transformada em calor. É um desperdício", afirma Marco Sacchi, diretor da Mainline Design Organization, à Euronews Green.

"Com este comboio, podemos transferi-la para a bateria e reutilizá-la mais tarde para acelerar o comboio."

Hannah Brown / Euronews Green
No interior de um comboio Hitachi Masaccio durante a construção.Hannah Brown / Euronews Green

Qual é a eficiência energética de um comboio tri-híbrido?

A bateria de bordo do Masaccio é útil em dois cenários diferentes. O primeiro é alimentar totalmente o comboio, sem necessidade de gasóleo, em troços curtos da linha onde existem falhas na eletrificação.

O segundo é para a aproximação e partida de uma estação. Ao utilizar o modo de bateria, o comboio não contribui para a poluiçãosonora ou atmosférica de uma cidade.

PUBLICIDADE

Além disso, com o impulso adicional da energia da bateria, o Masaccio pode acelerar muito mais rapidamente do que os comboios anteriores, o que significa que os tempos de viagem estão a tornar-se mais rápidos.

De acordo com o diretor-executivo Luca D'Aquila, desde a sua introdução em Itália, registou-se uma redução de 50% nas emissões poluentes.

Será que um comboio tri-híbrido é realmente melhor para o planeta?

Tal como acontece com os automóveis elétricos, sabemos que nada é uma solução perfeita. Mas a Hitachi parece ter aprendido com alguns dos erros do mundo automóvel.

Os carros elétricos são normalmente mais pesados, o que significa que os pneus se desgastam mais rapidamente e que a infraestrutura rodoviária é mais sobrecarregada.

PUBLICIDADE

O Masaccio da Hitachi é construído com metais ultraleves. Isto significa que a força e a segurança continuam presentes, mas, com o peso adicional das baterias, não é mais pesado do que um comboio normal.

A Hitachi também se associou a outras marcas da sua família para reutilizar e redistribuir materiais nos seus produtos, em especial minerais essenciais como o lítio.

Hannah Brown / Euronews Green
Um engenheiro da Hitachi conduz o Masaccio na pista de testes da fábrica de Pistoia, Itália.Hannah Brown / Euronews Green

O que se segue para os comboios ecológicos da Hitachi?

Luca disse à Euronews Green que o principal objetivo é atingir a neutralidade climática total. Para isso, estão já a trabalhar num comboio totalmente alimentado por baterias, que esperam ter em funcionamento até 2030.

Tanto na produção do comboio tri-híbrido com na do futuro comboio a bateria, a Hitachi planeia readaptar muitos dos seus modelos antigos para reduzir o consumo de materiais.

PUBLICIDADE

"Além disso, vamos começar a utilizar painéis solares nos nossos comboios [...] para recuperar a maior parte das nossas necessidades", explica Luca.

"A nossa estimativa é que cerca de 70% das nossas necessidades de energia podem ser satisfeitas com painéis solares. Isso significa uma redução de cerca de 7 mil toneladas de CO2 por ano."

Olhando para o futuro das alterações climáticas, a empresa também testa todos os seus comboios numa câmara climática especialmente construída para o efeito. Simulando temperaturas entre os -50ºC e os +40º, a empresa espera garantir que, à medida que o mundo muda, os comboios da Hitachi continuam a funcionar e os passageiros continuam confortáveis.

Veja o vídeo acima para ver o Masaccio em construção na fábrica.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um "Plano Marshall" solar deve estar no centro da recuperação da Ucrânia, diz a Greenpeace

Varandas solares estão a crescer na Alemanha. Eis o que precisa de saber sobre esta popular tecnologia doméstica

Tecnologias de energia limpa abrandaram crescimento das emissões globais de carbono em 2023