EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Política da UE. Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040

Camiões em trânsito na autoestrada A4 de Dresden, perto de Bautzen, Alemanha.
Camiões em trânsito na autoestrada A4 de Dresden, perto de Bautzen, Alemanha. Direitos de autor Robert Michael/(c) dpa-Zentralbild
Direitos de autor Robert Michael/(c) dpa-Zentralbild
De  Marta Pacheco
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os fabricantes de frotas de veículos pesados têm de orientar os seus esforços para a eletrificação.

PUBLICIDADE

Até 2040, os camiões da UE terão de reduzir as emissões de dióxido de carbono em 90% em relação aos níveis atuais, uma vez que os ministros dos transportes concordaram hoje (13 de maio) em aumentar gradualmente a percentagem de veículos zero emissões na frota de pesados em todo o bloco.

Apesar das tentativas da Itália, da Polónia e da Eslováquia para bloquear a lei, as novas regras relativas aos veículos pesados mantêm o objetivo existente para 2025, atualmente fixado numa redução de 15% das emissões dos camiões pesados com peso superior a 16 toneladas.

A lei estabelece ainda que, a partir de 2030, os novos camiões com peso superior a 7,5 toneladas têm de reduzir as emissões em 45%, passando para 65% a partir de 2035 e atingindo finalmente uma redução de 90% das emissões a partir de 2040. Os novos autocarros urbanos terão de atingir um objetivo de emissões totalmente nulas até 2035, com um objetivo intermédio de 90% no prazo de seis anos.

Os veículos pesados são responsáveis por mais de 25% das emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes rodoviários na UE, de acordo com dados oficiais. Nos seus esforços para limpar o transporte rodoviário, a Comissão Europeia propôs uma revisão das normas de emissão de dióxido de carbono para os veículos pesados em fevereiro de 2023.

Os fabricantes de camiões e autocarros terão de investir principalmente na eletrificação, que o grupo de campanha Transport & Environment, com sede em Bruxelas, descreveu como uma "transição brutal", uma vez que as alternativas renováveis, como o hidrogénio e o biometano, podem não ser produzidas a tempo e, por conseguinte, não são opções possíveis.

Philip Hunter, analista do setor automóvel da ONG Carbon Tracker, congratulou-se com a nova lei, mas referiu um relatório recente que salienta os desafios que os fabricantes de veículos pesados terão de enfrentar, uma vez que este setor tem atualmente menos de 2% de veículos zero emissões na sua frota.

"Os fabricantes precisam de aumentar rapidamente a sua produção de veículos pesados elétricos a bateria e colaborar com os fornecedores de infra-estruturas de carregamento para garantir que os operadores de frotas são apoiados na adoção de veículos zero emissões", disse Hunter à Euronews.

Durante as negociações interinstitucionais entre o Parlamento Europeu, a Comissão e o Conselho da UE, os responsáveis políticos e os funcionários da UE insistiram em que as novas regras fossem compatíveis com a competitividade, mas os representantes da indústria têm apelado repetidamente a "políticas de incentivo" para acelerar a transição ecológica dos transportes.

Raluca Marian, directora da Organização Mundial dos Transportes (IRU) para a UE, descreveu os objectivos alcançados como "idealistas" e "desligados das possibilidades de fornecimento de energia e das realidades empresariais no terreno", devido à falta de estações de carregamento suficientes em toda a UE e de capacidade das baterias para longas distâncias.

Sigrid de Vries, diretora-geral da Associação dos Construtores Europeus de Automóveis (ACEA), fez eco de preocupações semelhantes, afirmando que os fabricantes estão a "fazer tudo o que podem" para descarbonizar, mas dependem de condições que estão "em grande parte fora do seu controlo".

Para Michael Nimtsch, cofundador e diretor-geral da Trailer Dynamics, um fabricante alemão de veículos comerciais pesados, a lei hoje adoptada é um "marco" que abre caminho à neutralidade climática e à descarbonização do transporte pesado de mercadorias.

A Comissão deverá avaliar a eficácia da nova lei até 2027, bem como a possibilidade de desenvolver uma metodologia comum para avaliar e comunicar as emissões de dióxido de carbono durante todo o ciclo de vida dos novos camiões e autocarros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados aprovam reforma de transporte rodoviário de mercadorias

Polémica reforma do transporte rodoviário na reta final

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais