This content is not available in your region

Europa enfrenta crise energética em pleno inverno

Access to the comments Comentários
De  Alberto De Filippis
In Aménas, um campo de gás operado em conjunto pela britânica BP, pela norueguesa Statoil e pela empresa estatal de energia argelina Sonatrach, no leste da Argélia.
In Aménas, um campo de gás operado em conjunto pela britânica BP, pela norueguesa Statoil e pela empresa estatal de energia argelina Sonatrach, no leste da Argélia.   -   Direitos de autor  KJETIL ALSVIK / STATOIL / AFP

A crise energética na União Europeia (UE), agravada pelas tensões com Moscovo, está a levar o bloco procurar formas de fornecimento de gás em outras paragens.

Mas o problema vai mais além do que encontrar outros países - que não a Rússia - dispostos a fazer negócio com a União Europeia. Passa, acima de tudo, por encontrar uma forma de fazer chegar o gás aos vários Estados-membros.

A Europa depende, e muito, de fornecedores externos de gás e este só pode chegar a diferentes países por duas vias com características opostas: através de gasodutos, que garantem a segurança do abastecimento a um custo mais baixo, mas menos rápido, ou através de transportadores de gás natural liquefeito (GNL), que permitem a compra num mercado global, mas a um custo mais alto.

Historicamente, a Rússia tem sido o maior fornecedor de gás natural à União Europeia. Depois das disputas de gás entre a Rússia, a Ucrânia e a Europa de 2006 e 2009, seguidas de tensões nos rescaldo da crise ucraniana de 2013-2014, a União Europeia procurou reduzir a dependência das importações de gás natural da Rússia. No entanto, cerca de 40% do gás natural consumido na União Europeia ainda vem da Rússia.

Inverno europeu começou com reservas de gás invulgarmente baixas

A Europa começou o inverno com reservas de gás excecionalmente baixas.

De acordo com Simone Tagliapietra, investigador do think-tank Bruegel, a situação é extremamente difícil porque não há muita escolha.

"Os países do norte da África fornecem, atualmente, gás natural à Europa através de gasodutos (Argélia, Líbia), mas não têm a capacidade técnica de aumentar a produção e a exportação. A Europa não pode contar com abastecimentos adicionais desses países para substituir o gás russo. O GNL africano, como o nigeriano, pode desempenhar um papel importante, mas isso dependerá da rapidez com que esses países possam aumentar a sua produção e capacidade de liquefação. Em todos os casos, é difícil antever volumes adicionais [de gás] disponíveis para a Europa no curto prazo", sublinhou o investigador.

No entanto, Itália e Espanha estão a procurar maneiras de aumentar as importações da Líbia e da Argélia e a analisar como poderão enviá-las para o resto da Europa.

Aumentar as importações de Itália?

A União Europeia espera que o gasoduto Trans-Adriático (TAP) aumente as importações de gás do Azerbaijão para a Europa. O TAP deverá aumentar a sua capacidade de exportação para 10 mil milhões de metros cúbicos por ano, comparativamente aos 8 milhões atuais.

No ano passado, este gasoduto transportou mais de 8,1 mil milhões de metros cúbicos de gás do Azerbaijão para a Europa. Destes, 6,8 mil milhões de metros cúbicos foram transportados para Itália.

Este é o estágio final de um projeto de 40 mil milhões de dólares intitulado "Corredor de Gás do Sul". Em 2021, o país exportou 19 mil milhões de metros cúbicos de gás, dos quais 8,5 mil milhões de metros cúbicos foram parar à Turquia. O restante foi enviado para Itália, Geórgia, Grécia e Bulgária.

Atualmente, a União Europeia está a trabalhar em outro projeto intitulado EastMed. Trata-se de um gasoduto que conectará a rede europeia aos campos de gás offshore descobertos em Chipre, Israel e no Egito. Se for concluído, o gasoduto contornará a Rússia e a Turquia, conectando a rede cipriota à rede europeia.

Espera-se que os trabalhos no EastMed estejam concluídos em 2027, tal como no Poseidon, o gasoduto que se conectará ao EastMEd a partir da Grécia e de Itália.

Desde 2004, está a funcionar o Greenstream, o gasoduto com 520 quilómetros de extensão que liga a Líbia a Gela, na ilha italiana de Sicília. É o gasoduto mais longo do Mar Mediterrâneo e atinge uma profundidade de quase 1200 metros.

Além do Greenstream, há ainda o gasoduto de 2 mil quilómetros a partir de África Transmed (trans-Mediterrâneo). Liga a Argélia a Mazara del Vallo, na ilha italiana de Sicília, através da Tunísia. Atualmente, a Argélia é o segundo maior exportador do gás que entra em Itália, logo após a Rússia.

Um novo gasoduto para trazer gás de Espanha para a Europa?

Quase 45% do gás que Espanha importa e consome vem da Argélia. Dos dois gasodutos existentes que partem da Argélia, o maior é o gasoduto Magrebe-Europa. Por ano, transporta uma média de 10 mil milhões de metros cúbicos de gás para a Península Ibérica.

O segundo maior é o gasoduto submarino Medgaz, que chega a Almería, em Espanha. Começou a funcionar em 2010 para melhorar a segurança do abastecimento em Espanha e no resto da Europa.

A multinacional de energia Naturgy e a aliada argelina Sonatrach acordaram em julho do ano passado iniciar a expansão do gasoduto. Investiram cerca de 73 milhões de euros para aumentar a capacidade. A expansão está concluída, os testes de pressão foram realizados e resta apenas iniciar.

O gasoduto Medgaz é o primeiro a operar a uma profundidade de mais de 2 mil metros no mar Mediterrâneo e tem uma capacidade inicial de 8 mil milhões de metros cúbicos por ano. Com a capacidade ampliada, espera-se que 25% do gás natural consumido em Espanha passe por este gasoduto.

De acordo com o jornal catalão "La Vanguardia", que cita fontes do governo espanhol, a NATO estará a avaliar a possibilidade de construir um gasoduto que forneceria gás argelino e gás natural liquefeito ao mercado europeu, atravessando a Península Ibérica.

Ao que tudo indica seria o projeto "Midcat", cancelado em 2019 pelas autoridades espanholas e francesas devido à baixa rentabilidade e à crescente preferência por energias renováveis. Se o projeto, então avaliado em 400 milhões de euros, avançar, a Península Ibérica poder tornar-se numa “plataforma de distribuição” e armazenar gás em oito centrais de regaseificação localizadas em Espanha e Portugal.

O uso de gás liquefeito pode ser uma alternativa à falta de gás?

Apesar de Espanha ter a melhor infraestrutura para a exploração de gás liquefeito, a situação pode degenerar. José María Yusta, especialista em mercados de energia da Universidade de Zaragoza, afirma: "A Enagás, responsável técnica do sistema de gás em Espanha, disse que em novembro de 2021 foi contratada 95% da capacidade oferecida nas centrais de regaseificação, o máximo legal possível, em comparação com 57% em novembro de 2020”.

Espanha está próxima da possibilidade máxima de armazenamento de gás liquefeito. A utilização desta fonte de energia não parece, por isso, ser uma solução capaz de resolver os problemas energéticos europeus.