Metsola pressionada a intervir na polémica dos motores de combustão na UE

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola
A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola Direitos de autor European Union, 2023.
Direitos de autor European Union, 2023.
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Três grupos políticos do Parlamento Europeu - liberais, socialistas e verdes - querem que Metsola ajude a resolver caso que opõe alguns governos, sobretudo o da Alemanha, à Comissão Europeia.

PUBLICIDADE

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, vai escrever uma carta ao Conselho Europeu (que reúne os líderes dos 27 governos da União Europeia (UE)) para tentar desbloquear a legislação sobre a proibição de venda de novos automóveis com motores de combustão, a partir de 2035, na UE.

Metsola foi pressionada por três grupos políticos do Parlamento Europeu - liberais, socialistas e verdes - a intervir no caso que opõe alguns governos, sobretudo o da Alemanha, à Comissão Europeia.

A legislação tinha sido fechada com o acordo do Parlamento Europeu e de todos os 27 países, até que o governo alemão impediu uma votação final para exigir que a Comissão Europeia crie claúsulas de exceção para os motores que usam combustíveis sintéticos.

"Este debate não é técnico. É uma questão de princípio: tanto institucional como política. O Parlamento Europeu precisa de usar os seus músculos. O Conselho Europeu criou esta confusão, precisa de a resolver. Trata-se da credibilidade e do interesse geral da UE", disse Stéphane Séjourné, líder do grupo Renovar a Europa (liberal) do Parlamento Europeu.

A iniciativa não agrada, contudo, à ala mais à direita, isto é, o Partido Popular Europeu e os Reformistas e Conservadores.

O caso dos combustíveis sintéticos

Os defensores dos combustíveis sintéticos dizem que estes podem ser considerados neutros para o ambiente se o hidrogénio utilizado na sua produção tiver sido obtido a partir de fontes de energia renovável e se o dióxido de carbono emitido nessa produção for capturado na atmsofera.

Também argumentam que podem ser usados pelos atuais motores de combustão, deixando de lado a gasolina e gasólio (produtos refinados do petróleo), ajudando à transição que se pretende fazer.

Mas os detratores dizem que os combustíveis sintéticos são ineficientes em termos energéticos e libertam emissões poluentes quando são queimados.

Os críticos também dizem que os combustíveis sintéticos devem sere usados apenas no transporte marítimo e aéreo, onde ainda não existe uma alternativa de baixas emissões de dióxido de carbono em grande escala. Já para o transporte rodoviário não há essa necessidade, porque os veículos elétricos já estão disponíveis no mercado.

"A eliminação gradual dos motores de combustão é absolutamente necessária para alinhar o setor do transporte rodoviário europeu com os objetivos climáticos da Europa", defenderam nove organizações não-governamentais ambientalistas numa carta enviada ao chanceler alemão, Olaf Scholz.

"Em causa não está apenas a lei mais importante para combater as emissões poluentes dos transportes rodoviários, mas a credibilidade das normas democráticas e legislativas da UE", acrescentaram os signatários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE aprova fornecimento de munições à Ucrânia no valor de 2 mil milhões de euros

"Estado da União": Alemanha travou legislação da UE no setor automóvel

Lei da "influência estrangeira" afasta Geórgia da UE, alerta Charles Michel