EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

UE considera a remoção das bóias fronteiriças da Estónia pela Rússia de “inaceitável”

Rio Narva
Rio Narva Direitos de autor James Heintz/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor James Heintz/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Christoph Debets com Agências
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chefe dos Negócios Estrangeiros da União Europeia considerou “inaceitável” a remoção das bóias fronteiriças da Estónia no rio Narva e exigiu a sua imediata devolução. No entanto, a Estónia anunciou que iria reagir “com calma e prudência” a esta “provocação”.

PUBLICIDADE

Josep Borrell classificou de “inaceitável” a remoção das bóias fronteiriças estónias no rio Narva. Borrell exigiu uma explicação de Moscovo e o regresso imediato das bóias cor de laranja.

Na quinta-feira, os guardas fronteiriços estónios aperceberam-se de que os seus congéneres russos tinham retirado 25 das 50 bóias que a Estónia tinha colocado no Narva para evitar que os barcos atravessassem acidentalmente a fronteira.

Juntamente com o lago Peipus, o Narva constitui a fronteira russo-estónia e, por conseguinte, também a fronteira oriental da UE e da NATO. Borrell afirmou que o incidente “faz parte de um padrão mais vasto de comportamento provocatório e de ações híbridas por parte da Rússia”. A Estónia também classificou a ação como “inaceitável”, mas anunciou que iria reagir “com calma e prudência”.

A marcação das rotas marítimas é revista todos os anos porque “o leito do rio muda com o tempo”, disse Eerik Purgel, o chefe da guarda fronteiriça local da Estónia. No ano passado, a Rússia afirmou não concordar com a localização de cerca de metade das bóias da Estónia. Algumas das bóias agora retiradas tinham sido colocadas nos locais criticados pela Rússia.

“Este ano, decidimos deixar as marcas flutuantes na água durante a época de verão, em conformidade com um acordo de 2022, porque são necessárias para evitar erros de navegação, para que os nossos pescadores e turistas não acabem acidentalmente em águas russas”, disse Purgel.

As primeiras 50 bóias foram colocadas em 13 de maio. No entanto, 25 delas foram retiradas dez dias depois pelos russos, acrescentou.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Estónia convocou o chefe de missão adjunto da Rússia na sexta-feira, informou a agência noticiosa Baltic News Service. A BNS citou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Margus Tsahkna, dizendo que tinha “expressado claramente aos funcionários russos que tais ações são provocadoras e inaceitáveis”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Estónia afirmou que a ação “se enquadra bem no padrão mais amplo do comportamento provocatório da Rússia” e estabeleceu paralelos com os incidentes de cartografia fronteiriça no Mar Báltico no início desta semana. De acordo com os meios de comunicação social, Moscovo poderá alterar os limites das suas águas territoriais na região.

Um projeto de lei correspondente tinha sido publicado no sítio Web oficial do Governo russo para projetos de lei. No entanto, desapareceu poucas horas após a sua publicação na quarta-feira. O motivo não foi dado no imediato.

Contudo, os meios de comunicação social russos informaram que o Ministério da Defesa de Moscovo tinha proposto “atualizar” as coordenadas utilizadas para medir a faixa de águas territoriais ao largo da costa continental e das ilhas do Mar Báltico.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, explicou mais tarde que a proposta do Ministério da Defesa não tinha “nada de político” e as agências noticiosas russas informaram que Moscovo não tinha qualquer intenção de alterar a fronteira ou a largura das suas águas territoriais.

“Acreditamos que esta é mais uma das suas provocações. É também por esta razão que não tomámos quaisquer medidas adicionais nem os impedimos fisicamente de remover as bóias", explicou o Diretor-Geral da Guarda de Fronteiras da Estónia, Egert Belitšev.

Há décadas que a Estónia e a Rússia instalam, de comum acordo, bóias no rio Narva, que separa as cidades de Narva, do lado estónio, e Ivangorod, do lado russo, durante o verão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado

Barcelona vai acabar com o Alojamento Local. Em Portugal, medidas do “Mais Habitação” são revogadas

Chuvas recorrentes encharcam flores e dificultam produção de mel em França