EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Extrema-direita portuguesa quer-se juntar à aliança "Patriotas pela Europa" de Viktor Orbán

André Ventura, da Chega, saudou a formação dos "Patriotas pela Europa" como uma "oportunidade histórica".
André Ventura, da Chega, saudou a formação dos "Patriotas pela Europa" como uma "oportunidade histórica". Direitos de autor Alessandra Tarantino/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Alessandra Tarantino/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Jorge Liboreiro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O movimento nacionalista de extrema-direita quer criar um novo grupo no Parlamento Europeu. Mas precisa de ter pelo menos sete Estados-Membros a bordo.

PUBLICIDADE

O Chega quer-se juntar aos "Patriotas pela Europa", a nova aliança nacionalista lançada pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán. "O presidente do Chega anunciou a sua intenção de fazer parte desta coligação soberanista", disse o porta-voz de Orbán esta segunda-feira, ao anunciar a notícia.

Antes da confirmação, André Ventura tinha descrito a fundação do movimento como uma "oportunidade histórica" para construir uma "alternativa" política e unir a direita.

"Este grupo é claramente contra Ursula von der Leyen e António Costa", disse Ventura, referindo-se ao voto negativo de Orbán durante o acordo da semana passada sobre os cargos de topo da UE.

Após dias de especulação, a formação do "Patriotas pela Europa" foi anunciada no domingo pelo líder húngaro, ladeado por Andrej Babiš, antigo primeiro-ministro da República Checa, e Herbert Kickl, líder do Partido da Liberdade (FPÖ), de extrema-direita, da Áustria.

"O que os europeus querem são três coisas: paz, ordem e desenvolvimento", disse Orbán durante a apresentação em Viena. "E o que estão a receber da elite em Bruxelas hoje é guerra, migração e estagnação."

A aliança pretende maximizar a sua influência através da criação de um novo grupo no Parlamento Europeu. Mas para isso é necessário um mínimo de 23 eurodeputados de pelo menos sete Estados-membros.

Até segunda-feira, tinham o Fidesz-KDNP da Hungria (11 deputados), o ANO da República Checa (7) e o FPÖ da Áustria (6). O Fidesz e o ANO não estão atualmente inscritos, enquanto o FPÖ tem assento no grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID), que em breve terá de abandonar o grupo.

A adição do Chega, com dois deputados, aproxima a aliança do requisito dos sete países. No seu conjunto, os quatro partidos contam com 26 deputados europeus.

Os partidos partilham uma profunda aversão ao Pacto Ecológico, a iniciativa emblemática de von der Leyen para alcançar a neutralidade climática até 2050, e ao Novo Pacto sobre Migração e Asilo, uma vasta reforma que prevê regras para todos os 27 Estados-membros gerirem as chegadas irregulares.

Fundamentalmente, opõem-se ao fornecimento de equipamento militar à Ucrânia, questionam a eficácia das sanções ocidentais contra a Rússia e querem manter relações estreitas com o governo de Vladimir Putin. Também contestam o projeto de integração europeia e a autoridade concedida às instituições supranacionais de Bruxelas e do Luxemburgo.

Espera-se que mais membros se juntem aos "Patriotas pela Europa" até à primeira sessão plenária, a 16 de julho. O partido Alternativa para a Alemanha (AfD) parece ser um candidato adequado, uma vez que foi expulso do grupo ID em maio e não tem uma família política.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Orbán continuará a ir contra a corrente da UE quando a Hungria assume a presidência do bloco?

Orbán anuncia em Viena novo grupo de extrema-direita para o Parlamento Europeu

Nas profundezas das ruas de Paris existe um mundo escondido de vinhos