EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições francesas: quem votou nos diferentes partidos políticos?

Uma mulher vota em Estrasburgo, no leste de França, no domingo, 30 de junho de 2024.
Uma mulher vota em Estrasburgo, no leste de França, no domingo, 30 de junho de 2024. Direitos de autor AP Photo/Jean-Francois Badias
Direitos de autor AP Photo/Jean-Francois Badias
De  Alice Tidey
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma nova sondagem analisou os dados demográficos dos franceses que votaram nas legislativas.

PUBLICIDADE

A primeira volta das eleições legislativas antecipadas em França, no domingo, foi marcada por uma elevada taxa de participação e por um resultado recorde para o Rassemblement National (RN), de extrema-direita.

Cerca de 67% dos 49,5 milhões de eleitores franceses votaram, um nível que não se registava desde o final da década de 1990. O RN obteve 33% dos votos e poderá, na próxima segunda-feira, dominar a Assembleia Nacional e, eventualmente, assumir o controlo do governo.

A Nova Frente Popular (NFP), de esquerda, ficou em segundo lugar, com 29% dos votos, enquanto a coligação centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, sofreu a sua segunda derrota eleitoral esmagadora em menos de um mês, ficando em terceiro lugar, depois de ter atraído pouco mais de um quinto dos eleitores.

Os resultados do RN e da coligação centrista Ensemble estão muito próximos dos resultados que obtiveram três semanas antes nas eleições europeias e que levaram Macron a dissolver a Assembleia e a convocar eleições antecipadas.

Quem é que os vários partidos conseguiram ou não atrair?

O voto jovem

De acordo com a Ipsos, que inquiriu mais de 10.200 eleitores nos dias que antecederam a primeira volta para analisar a demografia do escrutínio, o RN obteve o maior número de votos em todos os grupos etários, exceto nos menores de 34 anos e nos maiores de 70.

A maior percentagem de votos dos seniores (32%) foi para a coligação Ensemble de Macron, mas o centro teve um desempenho muito fraco junto dos jovens, que votaram sobretudo na NFP. A sondagem da Ipsos revela que 48% dos votos dos jovens entre os 18 e os 24 anos foram para a coligação de esquerda.

"Uma das chaves do sucesso de Emmanuel Macron foi atrair os jovens em 2017, em primeiro lugar porque ele encarnava uma forma de renovação política e geracional", disse Frédéric Michaud, diretor-geral adjunto da empresa de sondagens OpinionWay, à Euronews.

"Mas ele envelheceu e, acima de tudo, há uma encarnação muito mais jovem do que ele agora, Jordan Bardella", disse Michaud, o que explica em parte o apelo do RN.

O partido de extrema-direita ficou em segundo lugar no voto dos jovens, assegurando cerca de um terço dos grupos etários dos 18 aos 24 e dos 25 aos 34 anos.

Bardella tem um grande número de seguidores nas redes sociais, em particular no TikTok, e é mais provável que lá seja visto a esfregar os ombros ou a beber cervejas com os eleitores e a partilhar pensamentos aleatórios em vídeos de "bastidores" do que a analisar as políticas reais do RN.

"Para [a esquerda dura] França Insubmissa (LFI) e a Nova Frente Popular (NFP), de um modo geral, isto é um pouco mais clássico. São votos que tradicionalmente atraem mais os jovens do que outras opções eleitorais", disse Michaud.

O voto popular

A maioria (54%) das pessoas que se identificam como "desfavorecidas" apoiou esmagadoramente o RN, segundo a Ipsos. O partido de extrema-direita também assegurou a maior percentagem de votos da classe "popular" (38%), ficando três pontos percentuais à frente da coligação de esquerda.

A maioria dos eleitores que afirmaram que mal conseguem pagar as contas ou que dependem de poupanças e/ou empréstimos para sobreviver (41% e 46%, respetivamente) também apoiaram o RN, à frente dos seus rivais de esquerda.

Esta é uma dinâmica que tem vindo a crescer ao longo da última década, disse Michaud à Euronews, devido, em parte, a "um sentimento de abandono e traição" que o eleitorado de esquerda sente em relação ao Partido Socialista, que liderou o país entre 2012 e 2017, com a presidência de François Hollande.

PUBLICIDADE

Macron também não sai ileso desta situação, uma vez que foi conselheiro de Hollande no início do mandato, antes de passar dois anos como ministro da Economia. A sua política, desde que assumiu o cargo no Eliseu, tem sido vista, em grande medida, como uma continuação do trabalho que iniciou no ministério, com reformas destinadas a reduzir a burocracia para as empresas, a adiar a idade da reforma e a abolir o imposto sobre o património.

Este facto tornou o eleitorado de esquerda mais recetivo às mensagens do RN "que conseguiu falar sobre o poder de compra, sobre as suas preocupações quotidianas, particularmente em termos de segurança", disse Michaud.

O voto de protesto

Sem surpresa, a maioria dos eleitores que se declaram satisfeitos ou muito satisfeitos com Macron votaram na sua coligação centrista, segundo o inquérito da Ipsos.

No entanto, um terço dos que se declaram insatisfeitos com Macron favoreceu a NFP, enquanto a maioria (53%) dos que se sentem muito insatisfeitos escolheu o RN.

PUBLICIDADE

Afinal, as pessoas estavam a protestar contra o RN ou a votar para o apoiar?

"São as duas coisas", disse Michaud, do OpinionWay, à Euronews. "O Rassemblement National foi durante muito tempo o instrumento de sanção contra o poder vigente, de expressão de raiva, de protesto em qualquer caso".

"Ainda existe, mas estamos a ver cada vez mais votos de apoio... por isso, não é apenas uma forma de oposição, é também uma escolha de adesão ideológica às diferentes medidas que são propostas pelo partido de Jordan Bardella", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições em França: extrema-direita de Le Pen está no topo - mas o que acontece a seguir?

Quatro conclusões a retirar das eleições legislativas francesas

Bardella compromete-se a ser "primeiro-ministro de todos os franceses" após vitória nas legislativas