Última hora

Última hora

Argentinos protestam contra austeridade

Em leitura:

Argentinos protestam contra austeridade

Argentinos protestam contra austeridade
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de argentinos encheram as ruas de Buenos Aires em protesto contra as medidas de austeridade adotadas pelo Governo de Maurício Macri.

Liderados por grupos sindicais, os manifestantes afirmaram que a pobreza está a aumentar no país, e exigiram que o presidente encontre soluções para a inflação, para combater o desemprego e para a crescente desvalorização do peso face ao dólar.

"É uma incerteza saber, dia após dia, como vamos sobreviver porque está a ficar pior. Todos os dias confrontamo-nos com coisas piores. Então, perguntamo-nos: 'Como posso alimentar os meus filhos hoje?", questiona uma argentina desempregada.

A crise que assola a economia do país obrigou Maurício Macri a implementar um severo ajuste para reduzir o deficit público de 3,9% em 2017 para zero em 2019.

Foram estas as promessas feitas pelo presidente para que o Fundo Monetário Internacional adiantasse 30 mil milhões de euros de um empréstimo de mais de 43 mil, em três anos. O acordo foi firmado em junho.

"A presença do FMI no nosso país é uma tragédia. As medidas devem ser tomadas para proteger os setores mais humildes para que esta crise não acabe com os sonhos e esperanças de milhões de argentinos", afirma um argentino.

Para fazer face à crise financeira do país, Maurício Macri suprimiu nove dos 20 ministérios.

No pacote de medidas do presidente está, ainda um imposto sobre as exportações, em especial de produtos agropecuários.

Com a inflação anual projetada para 40%, o Governo estima um recuo de 1% da economia, em 2018.