Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Boris Johnson ordenado a comparecer perante o tribunal

Boris Johnson ordenado a comparecer perante o tribunal
Direitos de autor
REUTERS/Darren Staples/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

O principal candidato à liderança do partido conservador no Reino Unido, Boris Johnson, foi ordenado a comparecer perante um tribunal.

Johnson é acusado de conduta imprópria no exercício de um cargo público.

Em causa estão alegações segundo as quais Johnson teria mentido ao afirmar que o Reino Unido envia 350 milhões de libras para a União Europeia todas as semanas. A afirmação foi um dos principais slogans políticos da campanha a favor do Brexit em 2016.

O caso foi levado ao tribunal pelo ativista Marcus Ball que reuniu os fundos necessários através de uma campanha na internet.

O caso ocorre numa altura em que está em curso uma corrida no seio do partido conservador com vista à sucessão de Theresa May que abandona o cargo no início de junho.

Um dos principais defensores do Brexit, Jacob Rees-Mogg, afirma que este caso não irá impedir Johnson de assumir a liderança dos conservadores.

"Não, não penso que vai afetar as hipóteses de Boris se tornar no novo líder dos conservadores. Ele é de longe o melhor qualificado, ele pode conseguir votos entre os trabalhistas em Londres; é uma figura carismática e acredita em sair da União Europeia. (...)
As pessoas reconhecem que se trata de utilizar o sistema legal para efeitos políticos.
Trata-se de fazer política através dos tribunais o que é um erro. Permitir que este caso avance é fazer política com justiça o que é um grave erro", afirma o deputado conservador, Jacob Rees-Mogg.

Johnson enfrenta três alegações de conduta imprópria no exercício de um cargo público; duas remontam à campanha anterior ao referendo de 2016; a terceira diz respeito à campanha antes das eleições gerais de 2017.