A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Governo de Merkel ameaçado por demissão no SPD

Governo de Merkel ameaçado por demissão no SPD
Direitos de autor
REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Andrea Nahles está de saída. Uma semana depois da histórica derrota nas eleições europeias, a líder dos social-democratas alemães demitiu-se da liderança do partido, pondo em causa a coligação de governo.

O Partido Social Democrata, ou o SPD, é um aliado, no executivo da CDU de Merkel. Juntos deveriam chegar até às próximas legislativas, em 2021.

Malu Dreyer, chefe do governo federal do Estado Renânia-Palatinado, faz parte da solução de liderança tripartida do partido, ao lado de Manuela Schwesig e Thorsten Schäfer-Gümbel.

"É uma posição difícil e séria para nós, mas o partido não está nem sem líder, nem sem liderança", garantiu Dreyer.

Caso o Partido Social Democrata abandone mais cedo o governo, a chanceler alemã terá de tomar uma das três opções: convocar eleições antecipadas, manter o governo com minoria parlamentar, ou procurar uma aliança política com os Verdes, ou com o Partido Democrático Liberal.

Merkel promete continuar mesmo após a renúncia da líder do SPD.

A atual líder da CDU, Annegret Kramp-Karrenbauer, reagiu às mudanças no partido da coligação. "Estamos dispostos a continuar esta coligação, queremos ser dignos de confiança e criar o futuro. Cabe ao SPD decidir o que fazer agora", afirmou.

A crise no SPD sofreu dois grandes golpes na última semana. Para além de passarem a terceira força política no Parlamento Europeu, atrás da CDU e dos Verdes, perderam o estado de Bremen nas eleições regionais, um bastião do partido desde a Segunda Guerra Mundial.