Campanha violenta e recenseamento duvidoso diz a UE

Campanha violenta e recenseamento duvidoso diz a UE
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Num relatório preliminar os observadores da União Europeia, às eleições moçambicanas, falam em campanha violenta e recenseamento duvidoso.

PUBLICIDADE

Uma votação bem organizada, mas precedida de uma campanha violenta e de um recenseamento considerado duvidoso.

Foram estas as conclusões do relatório preliminar da missão de observação eleitoral da União Europeia para as eleições gerais de Moçambique.

Apesar de alguns incidentes isolados, a observação europeia, liderada pelo chefe da missão Nacho Sánchez Amor, destacou sobretudo o ambiente de tensão anterior ao dia da votação.

O assassinato do líder de observação eleitoral moçambicano, Anastácio Matavel, por agentes da polícia no sul do país foi apontado como o expoente máximo de um clima de medo.

Paralelamente, a missão europeia salientou a desigualdade de cobertura mediática em favor da Frelimo, defendendo até que o partido usou meios do Estado para fins eleitorais.

Por fim, os observadores europeus levantaram dúvidas sobre o rigor do recenseamento, com enfoque no grande aumento de eleitores em todas as províncias.

As dúvidas sobre alegadas irregularidades nestas eleições foram também assumidas por outros observadores internacionais, como a Commonwealth e o Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África.

No entanto, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, União Africana e Comunidade de Desenvolvimento da África Austral consideraram que o sufrágio decorreu de forma ordeira, pacífica e transparente.

Segundo as projeções, o sufrágio realizado na terça-feira terá dado a vitória à Frelimo e a Filipe Nyusi, mas o anúncio oficial dos resultados pode ocorrer até dia 30.

Estas eleições gerais foram as sextas realizadas no país desde a independência de Portugal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições em Moçambique "sem incidentes graves"

Eleições parlamentares no Irão começam com mais de 15 mil candidatos

Donald Trump excluído do boletim de voto no Illinois