Última hora
This content is not available in your region

Campanha violenta e recenseamento duvidoso diz a UE

euronews_icons_loading
Campanha violenta e recenseamento duvidoso diz a UE
Tamanho do texto Aa Aa

Uma votação bem organizada, mas precedida de uma campanha violenta e de um recenseamento considerado duvidoso.

Foram estas as conclusões do relatório preliminar da missão de observação eleitoral da União Europeia para as eleições gerais de Moçambique.

Apesar de alguns incidentes isolados, a observação europeia, liderada pelo chefe da missão Nacho Sánchez Amor, destacou sobretudo o ambiente de tensão anterior ao dia da votação.

O assassinato do líder de observação eleitoral moçambicano, Anastácio Matavel, por agentes da polícia no sul do país foi apontado como o expoente máximo de um clima de medo.

Paralelamente, a missão europeia salientou a desigualdade de cobertura mediática em favor da Frelimo, defendendo até que o partido usou meios do Estado para fins eleitorais.

Por fim, os observadores europeus levantaram dúvidas sobre o rigor do recenseamento, com enfoque no grande aumento de eleitores em todas as províncias.

As dúvidas sobre alegadas irregularidades nestas eleições foram também assumidas por outros observadores internacionais, como a Commonwealth e o Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África.

No entanto, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, União Africana e Comunidade de Desenvolvimento da África Austral consideraram que o sufrágio decorreu de forma ordeira, pacífica e transparente.

Segundo as projeções, o sufrágio realizado na terça-feira terá dado a vitória à Frelimo e a Filipe Nyusi, mas o anúncio oficial dos resultados pode ocorrer até dia 30.

Estas eleições gerais foram as sextas realizadas no país desde a independência de Portugal.