EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Rússia banida do desporto mundial devido a esquema de doping

Comité Olímpico Russo sancionado por um escândalo antidopagem
Comité Olímpico Russo sancionado por um escândalo antidopagem Direitos de autor Alexander NEMENOV / AFP
Direitos de autor Alexander NEMENOV / AFP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Agência Mundial Antidopagem decide castigar o desporto russo devido à manipulação de testes de doping

PUBLICIDADE

Agência Mundial Antidopagem (AMA) decidiu castigar a Rússia com quatro anos de suspensão em provas internacionais como os Jogos Olímpicos ou os Mundiais de atletismo e futebol devido à manipulação de testes de doping em laboratório para esconder eventuais casos positivos.

A AMA seguiu as recomendações de uma comissão independente responsável por avaliar o cumprimento das regras pela agência russa antidoping (Rusada).

A equipa concluiu que terá havido manipulação dos dados recolhidos pela AMA através da troca de amostras e da destruição de dados ligados a testes positivos por doping.

A 25 de novembro, a AMA já havia publicado um comunicado com a recomendação do Comité independente de Revisão de Cumprimento (CRC) das regras sobre o caso da Rússia, nomeadamente o não cumprimento do código mundial antidoping.

A Comissão Executiva da AMA apreciou esta segunda-feira, em Lausana, na Suíça, essa recomendação e decidiu suspender a Rússia por quatro anos.

"A recomendação da CRC, baseada em relatórios de equipas de investigação da AMA e de peritos forenses externos â agência, concluiu que os dados fornecidos por Moscovo foram deliberadamente alterados antes e durante os processos de recolha pela AMA em janeiro de 2018", explicou Craig Reedie, o presidente da Agência Mundial Antidopagem.

Há três anos, a AMA já havia divulgado o chamado relatório McCLaren, no qual era sugerido a existência de um programa de dopagem no desporto russo com apoio estatal. A denúncia deu lugar a um processo contra a Rússia e à suspensão de competir em diversas competições.

O Kremlin sempre negou o esquema e prometeu corrigir situações menos claras. O que não terá cumprido, concluiu agora a AMA.

O atual ministro dos Desportos da Rússia, ainda assim, promete usar o recurso ainda possível para o Tribunal Arbitral do Desporto.

"A todas as perguntas e observações (da AMA), os nossos peritos deram explicações bastante satisfatórias. Infelizmente, não foram ouvidos. É por isso que acredito que a Rusada tem uma defesa muito forte. Seja para contrariar todo o veredicto ou apenas algumas das questões relativas às sanções", afirmou Pavel Kolobkov, em resposta à suspensão pela AMA.

A suspensão impede os atletas russos, mesmos os inocentes, de competir sob a respetiva bandeira ou o hino, mas volta a abrir a possibilidade de alguns poderem competir integrando uma equipa neutra.

O castigo vai aplicar-se apenas às grandes competições, incluindo os próximos Jogos Olímpicos e o Mundial de futebol no Qatar, em 2022, onde a seleção russa apenas se poderá apresentar, se a FIFA o permitir, enquanto equipa sem bandeira nem hino.

Um porta-voz da FIFA terá afirmado à agência de notícias russa TASS que o organismo que superintende o futebol mundial e organiza o campeonato do mundo de futebol ainda irá pedir à AMA para especificar os detalhes da suspensão agora decretada à Rússia, o que ainda permite à federação russa de futebol a esperança de que o castigo afinal não afete o torneio do Qatar.

A Rússia pode, no entanto, competir no Europeu de futebol do próximo ano, para o qual está qualificada, e até ser palco dos jogos previstos em São Petersburgo.

A UEFA não faz parte da lista de organizadores de grandes competições afetada pela decisão da AMA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia enfrenta nova exclusão olímpica

Rússia tenta colocar atletas nos Jogos Olímpicos de 2020

Autoridades alemãs desvendam rede de "doping" sanguíneo