Última hora
This content is not available in your region

Papa apela à paz nas ruínas da guerra

De  Teresa Bizarro com AP, AFP
euronews_icons_loading
Papa apela à paz nas ruínas da guerra
Direitos de autor  Hadi Mizban/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Última missa do Papa no Iraque carregada de simbolismo. No altar improvisado num estádio de Irbil, uma imagem de Nossa Senhora reconstruída materializa a mensagem de pacificação que Francisco quis deixar aos iraquianos. A figura tinha sido parcialmente destruída pelos extremistas do Daesh, tal como a cidade que começa a reerguer-se.

Hadi Mizban/AP
Nas mãos e no pescoço, são visiveís as marcas deixadem pelo Daesh na imagem de MariaHadi Mizban/AP

"Aproxima-se o momento de regressar a Roma, mas o Iraque vai permanecer comigo, no meu coração," declarou o Papa.

Antes de Irbil, Francisco tinha estado em Mossul, em pleno curdistão iraquiano.

A cidade foi bastião do Daesh entre 2014 e 2017. São visíveis as feridas abertas pelo extremismo e pela intensa campanha militar que provocou a morte a milhares de civis.

Entre os escombros da guerra, as ruínas de quatro igrejas destruídas durante a ocupação do Daesh. Local escolhido para fazer uma oração pela paz. Em palavras traduzidas para árabe, Francisco condenou qualquer morte; qualquer ato de guerra em nome de Deus.

"A fraternidade é mais duradoura que o fratricídio, a esperança é mais poderosa que o ódio, a paz mais poderosa que a guerra", disse o pontífice com o apelo à tolerância que tem sido a mensagem central da sua visita de quatro dias ao Iraque.

Os sinos tocaram na chegada do papa à cidade de Qaraqosh

Ainda na esteira da destruição do Daesh na Planície de Nínive, o Papa esteve Qaraqosh onde foi recebido por uma entusiástica comunidade cristã. Centenas de pessoas, quase todas sem máscara e sem cumprir regras de distanciamento social, acompanharam os passos de Francisco.

A pesada segurança impediu Francisco de mergulhar na multidão.

"O caminho para uma recuperação completa pode ainda ser longo, mas peço-vos, por favor, que não desanimem", disse Francisco na Igreja da Imaculada Conceição. "O que é necessário é a capacidade de perdoar, mas também a coragem de não desistir''.

As cidades tradicionalmente cristãs da Planícies de Nínive esvaziaram-se em 2014 à medida que os cristãos - e muitos muçulmanos - fugiram da ofensiva dos radicais. Apenas alguns regressaram às suas casas desde 2017 e os restantes permanecem dispersos noutros locais no Iraque ou no estrangeiro.