Talibãs ultimam constituição do governo

Talibãs ultimam constituição do governo
Direitos de autor Khwaja Tawfiq Sediqi/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apesar das promessas de um governo "inclusivo", novo executivo não terá mulheres.

PUBLICIDADE

Os talibãs fizeram uma parada de vitória nas ruas de Cabul, usando material apreendido às tropas norte-americanas. É um desfile que antecedeu a apresentação do novo governo, que vai acontecer até ao fim da semana. Os dirigentes do movimento que retomou o poder no Afeganistão prometem criar um governo inclusivo, no seguimento das promessas que têm sido feitas de um regime mais suave que o do anterior governo talibã, No entanto, um desses dirigentes já afirmou que não irá haver mulheres no novo executivo.

A comunidade internacional está preocupada com o que pode vir deste novo governo talibã, depois da experiência do anterior regime, que vigorou até à invasão norte-americana em 2001. Além das questões de direitos humanos, há ainda as questões económicas. Metade da população afegã precisa de assistência humanitária para sobreviver.

Diz Michael Kugelman, vice-diretor par a Ásia do Wilson Center: "É um regime que não tem qualquer experiência política numa altura em que se vive uma grande crise política. Agora, a comunidade internacional vai cortar o acesso aos fundos por parte do novo governo talibã. Como acontece sempre, quem vai sofrer mais é o próprio povo do Afeganistão".

Em hospitais de todo o país, mulheres médicas temem pelo futuro e pelos empregos. Os talibãs prometeram que não vão impedir as mulheres de trabalhar nem de estudar, mas na memória de muitos está o terror do regime que vigorou entre 1996 e 2001, extremamente repressivo e que negava às mulheres quase todos os direitos básicos. A ONG Repórteres Sem Fronteiras diz que, das 700 mulheres jornalistas que o país contava há cerca de um ano, restam agora menos de cem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talibãs precisam de reconhecimento internacional

Talibãs proíbem salões de beleza no Afeganistão

Mulheres afegãs protestam em Cabul contra regime talibã