EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polónia e Lituânia reforçam proteçãos das fronteiras com a Bielorrússia

Militares polacos assistem a uma conferência de imprensa do ministro da Defesa da Polónia, Mariusz Blaszczak.
Militares polacos assistem a uma conferência de imprensa do ministro da Defesa da Polónia, Mariusz Blaszczak. Direitos de autor AP Photo/Michal Dyjuk
Direitos de autor AP Photo/Michal Dyjuk
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Polónia decidiu enviar mais tropas para a fronteira com a Bielorrússia, lançando a operação "Ryngraf" ("Rincão"). A Lituânia vai encerrar dois pontos de passagem.

PUBLICIDADE

 Vários milhares de guardas fronteiriços e soldados do exército polaco vão treinar e aprender a coordenar os seus esforços, a fim de evitar qualquer tipo de possível provocação por parte da Bielorrússia.

Varsóvia leva muito a sério uma possível ameaça vinda dos mercenários russos "Wagner" estacionados na Bielorrússia. Acredita-se que podem agravar a atual crise dos migrantes ou mesmo penetrar na Polónia para realizar operações secretas.

No início de agosto, o governo insistiu que helicópteros do exército bielorrusso e elementos do "Wagner" tentaram penetrar na fronteira.

O ministro da Defesa polaco, Mariusz Blaszczak afirma: "Não há dúvida de que o regime da Bielorrússia está a cooperar com o Kremlin e que os ataques na fronteira polaca se destinam a desestabilizar o nosso país."

A Lituânia, que também faz fronteira com a Bielorrússia, declarou que encerrará dois dos seus seis pontos de passagem a 18 de agosto, "devido a circunstâncias e ameaças geopolíticas". 

No início deste mês, o presidente, Gitanas Nauseda,  mencionou a possibilidade de encerrar completamente a fronteira, como último recurso, em caso de vários ataques híbridos transfronteiriços.

Apesar de tudo o que se está a passar, a fronteira continua aberta, mas as autoridades lituanas instalaram enormes cartazes onde se lê: "Não se arrisque a ir à Bielorrússia, pode não conseguir voltar".

Na sexta-feira, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko disse que tinha dado instruções ao governo para "estabelecer contactos" com a parte polaca, a fim de discutir "a paz e a boa vizinhança", uma vez que a Bielorrússia "não deve perder relações com os países de alta tecnologia da UE, incluindo a Polónia".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tensão na região e no país influenciam campanha eleitoral polaca

Atenção aos militares domina campanha eleitoral na Polónia

A China e a Polónia lançam a primeira ligação ferroviária regular, relançando a rota comercial da Rota da Seda