EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Candidata socialista foi a mais votada na primeira volta da presidencial equatoriana

Candidata Luisa Gonzales no momento em que votava
Candidata Luisa Gonzales no momento em que votava Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A candidata de esquerda Luisa Gonzalez, sucessora do ex-presidente Rafael Correa, no exílio, saiu vitoriosa na primeira volta da eleição presidencial no Equador. Na segunda volta vai enfrentar Daniel Noboa, candidato da direita e filho do homem mais rico do Equador.

PUBLICIDADE

Apesar dos receios, o dia de votação no Equador terminou sem violência. As assembleias de voto e os candidatos presidenciais foram fortemente protegidos pela Polícia e pelo Exército.

Em particular, Christian Zurita, que substituiu o assassinado Fernando Villavicencio, que mal se conseguiu ver. Estave constantemente coberto por coletes à prova de bala nas mãos de numerosos guardas fortemente armados. Horas antes do início da votação, tinha recebido ameaças de morte. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) pediu ao Estado equatoriano a adoção imediata de medidas para salvaguardar a vida de Zurita e da sua equipa.

A candidata de esquerda Luisa Gonzalez, sucessora ex-presidente Rafael Correa, no exílio, saiu vitoriosa na primeira volta da eleição presidencial, domingo, após uma campanha eleitoral extraordinária marcada pelo assassinato de um dos candidatos favoritos e a violência dos "narcos" no país.

Gonzalez vai enfrentar na segunda volta, em 15 de outubro, Daniel Noboa (filho do homem mais rico do Equador), candidato da direita e inesperado adversário desta eleição presidencial antecipada, com o objetivo de encontrar um sucessor para o impopular presidente conservador cessante, Guillermo Lasso. 

Gonzalez obteve 33% dos votos e Daniel Noboa somou 24% dos votos, de acordo com os resultados do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) relativos a 83% dos votos apurados.

Antes do dia de votação, muitos equatorianos expressaram medo de sair. Diziam que preferiam ficar em casa e pagar multa - já que votar no Equador é obrigatório por lei. Mas, finalmente, depois de encerrada a votação, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) anunciou a participação "histórica" de 82,26%. 

Ao mesmo tempo, a votação dos equatorianos que vivem no exterior foi parcialmente prejudicada: o sistema de votação eletrónica sofreu ataques cibernéticos de vários países, incluindo Índia, Bangladesh, Paquistão, Rússia, Ucrânia, Indonésia e China. A CNE afirmou, no entanto, que "os votos não foram violados".

Mas este dia não foi apenas sobre candidatos presidenciais. Juntamente com a eleição presidencial, foi realizado um referendo que colocava questões consideradas ainda mais cruciais para o futuro do país. Trata-se da possível proibição da exploração de petróleo e minério em diversas regiões. Se, por um lado, a proibição ajudaria a conservar a natureza, os modos de vida dos povos indígenas e muitas espécies animais, por outro lado, provocaria um enorme rombo (alguns analistas dizem "fatal") na economia do país e deixaria milhares de pessoas desempregadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acabou a violenta campanha eleitoral no Equador, domingo há eleições

Candidato a presidente do Equador assassinado a tiro enquanto saía de comício

Equador lança operações militares contra terrorismo