EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ucrânia responde à UEFA com boicote às provas juvenis

Ucrânia não gostou da decisão da UEFA de reintegrar as equipas russas nas competições jovens
Ucrânia não gostou da decisão da UEFA de reintegrar as equipas russas nas competições jovens Direitos de autor Michal Dyjuk/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Michal Dyjuk/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Ricardo Figueira com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UEFA decidiu reintegrar equipas russas nas competições europeias de camadas jovens. Ucrânia não gostou e boicota, federações da Polónia e Inglaterra seguem o exemplo.

PUBLICIDADE

A Ucrânia decidiu boicotar as provas juvenis da UEFA, respondendo assim à decisão do organismo de futebol europeu de voltar a admitir as equipas russas nestes torneios. A UEFA suspendeu a participação de equipas russas em todas as competições na sequência da invasão da Ucrânia em larga escala, em fevereiro do ano passado, mas agora voltou atrás. Mesmo se mantém a proibição para as equipas seniores, as equipas das camadas juvenis vão poder participar. A UEFA justifica com o argumento de que "as crianças não têm de pagar pelas guerras causadas pelos adultos".

A Federação Ucraniana de Futebol não pensa assim e reagiu com um comunicado em que condena a decisão da UEFA e diz que as equipas ucranianas não vão participar em nenhuma competição em que entrem também equipas russas. As federações da Polónia e de Inglaterra seguiram a mesma linha e dizem que as equipas desses países não vão entrar em campo contra os russos.

A reintegração dos atletas russos e bielorrussos nos vários desportos está a ser tudo menos consensual e ainda não está definido qual vai ser o estatuto nos Jogos Olímpicos do próximo ano, em Paris. Em março, o Comité Olímpico Internacional decidiu que os atletas da Rússia e da Bielorrússia poderiam competir sob bandeira neutra, a título individual, e desde que não apoiem diretamente a guerra na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal da UE decide contra FIFA e UEFA no caso da Superliga

Ucrânia “está mais perto da NATO do que nunca”

“A UE enganou-nos” sobre importação de cereais da Ucrânia disse primeiro-ministro da Hungria